segunda-feira, 13 de abril de 2015

O veado sagrado


As cabidadas da "presidenta" e os mitos do PT

Na foto a presidenta dando um cabidouken em alguma empregada


A existência do PT é toda baseada em mitos e mentiras. A começar pelo nome de um partido coalhado de auto-denominados intelectuais e artistas que gostam de tudo, menos de trabalhar.
Seu líder máximo é um operário que não pisa num chão de fábrica há uns 30 anos, seu braço armado é formado por "sem terras" que conhecem tanto uma enxada quanto o Lula os corredores de uma biblioteca, seu braço estudantil é formado por gente em torno dos 30 anos, que passou os últimos 10 perambulando por universidades sem se formar e que se apresentam como representantes da "juventude".
Acha pouco? Seus "guerreiros do povo brasileiro" são bandidos condenados por assaltar o país, e a Petrobras - empresa que eles tratavam como donzela a ser protegida dos privateiros da oposição - não só foi encoxada, como estuprada pelo partido e deixada ao relento num posto de gasolina de beira de estrada.
A luta por um país melhor virou a luta por uma conta bancária maior. A bandeira da ética virou um pano de chão para limpar as sujeiras da companheirada. O slogan "um país de todos" na realidade escondia o país da ação entre amigos. E o que dizer de "país rico é sem pobreza"? Ricos ficaram os que cobraram porcentagem de propina, enquanto a pobreza assola toda cidade média ou grande.
Pátria educadora? Ensinando o quê? A mentira? A calúnia? A difamação? Todas armas para "fazer o diabo" e garantir mais quatro anos de poder?
E agora, vejam vocês, até as mentiras mais surreais viram verdades nessa degeneração total que é o lulopetismo. O jornalista Ricardo Noblat relatou em sua coluna no Globo uma surra de cabide que Dilma Rousseff deu numa empregada do palácio.
Seu silêncio teria sido comprado com uma unidade do Minha Casa, Minha Vida e um emprego novo, mas o fato não se apaga: a presidente do partido que jura defender os pobres aplica castigos corporais na criadagem.
A empregada usa o mesmo perfume da patroa, mas se essa patroa for Dilma, leva também umas cabidadas.
E aí está mais um dos muitos mitos do PT: quem era mesmo o candidato que batia em mulher?
Resta saber quantas mentiras mais o tempo vai revelar e, principalmente, se o país vai aprender a lição.

sábado, 11 de abril de 2015

A verdade não demorou a aparecer: o governo não pretende "humanizar" a tropa de choque do PT


- Humanize a sua boca!
- Humaniza você a sua!
- Vou aí te dar uma humanizada na cara!
Viram como serve pra tudo? O site pago com seu dinheiro só servirá para te perseguir. Pra não assumirem que pretendem criminalizar opinião dizem que vão "humanizar comportamentos".
MENOS humanizar os robôs e militantes a soldo do MAV-PT que espalham esgoto pela internet, claro. Isso nem que a vaca tussa.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Chegou a hora de caírem as máscaras


Hoje uma nova fase da Operação Lava-Jato prendeu três ex-deputados - dentre eles o famigerado petista André Vargas - além do dono de uma agência de publicidade que tinha as contas da Caixa Econômica Federal, do Ministério da Saúde, do BNDES e da Petrobras Distribuidora.

Diretorias de marketing de estatais têm sido entregues na mão de companheiros desde o governo Lula e agora, ao que parece, foi descoberta a forma que o PT usava para levar esse dinheiro para os cofres do partido: através de contas de publicitários aqui e no exterior.


Porém mais do que identificar outra fonte da sangria dos cofres públicos e levar para a cadeia outros membros da quadrilha instalada na máquina estatal para pilhar o país, esta fase da devassa que o juiz Sérgio Moro faz nas catacumbas do petismo joga luz de uma vez sobre o esquema que sustenta ex-jornalistas transformados em mercenários na internet e veículos impressos de menor expressão.

Basta percorrer os sites que fazem sub-jornalismo, sites que se especializaram em ser louvaminheiros do lulopetismo, advogados dos ladrões do partido, disseminadores de versões, difamadores de adversários e defensores de toda e qualquer excrescência defendida e praticada pela companheirada para ver de onde sai o dinheiro que sustenta aquilo: do seu bolso.

Banners de estatais e ministérios são praticamente a única fonte de renda dessa turma, entusiasmada defensora do "controle da mídia" e do corte de verbas de publicidade para veículos da imprensa que critiquem o governo de Dilma Rousseff e do PT.

Com a cara de pau que só um parasita que se acha independente do hospedeiro pode ter, defendem que o governo pratique chantagem contra quem o critica, usando o dinheiro do pagador de impostos para promover uma censura econômica.

Tratam a verba de comunicação do governo como se fosse o dinheiro arrecadado num churrasco da CUT em alguma laje no ABC.

Precisam descobrir que o destino de quem faz isso é o ostracismo. Ou então um beliche de concreto dentro de um presídio.