segunda-feira, 30 de setembro de 2013

O algorítimo da azaração feminista

Segundo este novo algorítimo da insanidade feminazi, se você primeiro não conhecer uma mulher, conversar cinco minutos, conversar mais cinco minutos, trocar telefone, chamar para um café, ir no cinema, pegar na mão, der o primeiro beijo, der o segundo beijo, der uns amassos, pedir em namoro, rolar a primeira briga, depois uma D.R., fizer um make-up sex, conhecer a família e fizer um mochilão na Europa juntos, por favor, não elogie.

Porque senão é assédio.



Nada além do controle remoto

Muitos idiotas (sim, não consigo admitir que sejam outra coisa) ainda não perceberam a natureza nefasta dessas manifestações que continuam se espalhando somente em estados e cidades estratégicas para a esquerda.

Sobre Mensaleiros, Rose, a namoradinha do José Dirceu sendo sustentada com o dinheiro do pagador de impostos, ladrões com mandato parlamentar, sindicatos com sua burguesia do capital alheio cada vez mais faminta, desvios, ineficiência do Estado, aparelhamento, nenhuma palavra.

Mas agendas que interessam ao PT e demais partidecos de esquerda, essas têm pleno respaldo e ecoam nos berros (eles nunca falam, só berram) da súcia esquerdista que inferniza as ruas e praças das grandes cidades com sua violência e autoritarismo.

Não se pode detestar mais do que eu um mini-homem moral como Sérgio Cabral, nem reprovar mais essa administração midiática e ineficiente do Eduardo Paes, mas não tem como olhar essa turma de lacaios e estafetas PT e do PSOL diariamente pedindo a cabeça de ambos na rua e não pensar em golpismo, em tentativa manipulação da opinião pública com fins eleitorais.

O que dizer então dessa prática nefasta, asquerosa, anti-social e criminosa de agredir profissionais de imprensa? Não assisto a Globo, detesto novela e BBB, não sou um imbecil ao cubo que acredita num "Partido da Imprensa Golpista" (ainda mais vendo a leniência com que essa imprensa trata os ladrões e incompetentes do PT), mas não posso deixar de me assustar com tais atos.

Repórteres da Globo e da sua emissora de notícias por TV a cabo, a Globo News, precisando trabalhar sem identificação, sendo escorraçados na base de pontapés por bate-paus do lulopetismo e seus asseclas, equipes inteiras sendo insultadas e chegando a apanhar de ordinários sustentados com dinheiro público.

Esse tipo de coisa mostra o caráter autoritário, ditatorial e truculento dessa gente que sonha, veja você, com o "controle social da mídia".

Se desprovidos de tal poder já fazem o que fazem, imagine se por algum golpe do destino este país vier a sofrer mais este estupro ético e moral por parte do lulopetismo.

O único controle da mídia que presta é o controle remoto. Tenha isso em mente na hora de votar no ano que vem.



domingo, 29 de setembro de 2013

Estado babá? Magina

Na marcha batida do PT rumo ao bolivarianismo, até o tamanho dos envelopes usados em sorteios na TV serão regulados por algum barnabé.

Aguardem a regulação estatal sobre o tamanho do picote das folhas de papel higiênico. 

Tudo para "o seu bem".



sábado, 28 de setembro de 2013

O macarrão politicamente incorreto

O presidente da maior fábrica de massas do mundo, Guido Barilla, causou furor nas tropas da Gaystapo porque resolveu dizer que não faria um anúncio com homossexuais.

Segundo o dono da empresa, a marca se identifica com a imagem da família e quem não gostar que não compre (eu já comi e afirmo: comprem, é muito boa).

Imediatamente os "progressistas" sectários partiram para cima do homem, obviamente chamando-o de "homofóbico" (que novidade) e convocando um boicote aos produtos da Barilla (ora bolas, não foi exatamente o que ele disse, que quem não estivesse satisfeito que não comprasse?).

Você pode ser um desses simpatizantes ferrenhos do "movimento gay" e querer até empregar professores travestis que ensinem que "ser bissexual é legal porque você tem mais chances de se divertir" nas escolas, mas se for um democrata de verdade, jamais vai sequer cogitar impedir alguém de falar o que pensa.

O Sr. Barilla (falo isso e penso num macarrão de terno e gravata) não disse que homossexuais são sujos (não são), que são menos gente (são iguais a qualquer um, com qualidades e defeitos), que merecem apanhar na rua (quem faz isso merece cadeia) ou que devem ser varridos da face da Terra (quem pensa isso é que deveria cogitar uma estadia na Estação Espacial Internacional), disse apenas que na SUA empresa, em SEUS comerciais, não colocaria homossexuais. Ponto. Direito dele. Ponto de novo.

Uma coisa são direitos civis. Outra bem diferente é querer impor na base do berro a sua posição aos outros. O mundo não pode pertencer a quem grita mais alto, sejam eles minoria, maioria ou qualquer outra coisa.

E não se pode defender a sua liberdade e o seu direito querendo tolher a liberdade e o direito dos outros.

Nenhuma empresa pode ser obrigada a adotar a idéia de família e sociedade que o ativismo radical politicamente correto resolveu impor ao mundo na força.

Por isso agora mesmo é que eu vou comprar produtos Barilla sempre que puder, ainda que ache incrível e bizarro que o ativismo político e a defesa da liberdade de expressão tenha chegado até na macarronada de Domingo.

Link da notícia: http://veja.abril.com.br/noticia/economia/dono-da-marca-de-alimentos-barilla-critica-familias-homossexuais



R$ 9.534,07.

Isso mesmo, vou escrever por extenso para que você não pense que leu os números errado ou que eu me confundi com alguma casa decimal: nove mil, quinhentos e trinta e quatro reais e sete centavos.

Essa foi a fortuna que o governo do PT sob a batuta de Dilma Rousseff, o poste de terninho, aplicou na alfabetização em 2013.

Mentiu na campanha de 2010, mente nas explicações e desculpas e vai mentir mais ainda na propaganda eleitoral no ano que vem.

Este é o PT: mentiras, corrupção, mau uso do dinheiro público, miséria, analfabetismo e propaganda.

Poderiam criar a seguinte lei: o governo está liberado para gastar o quanto quiser em marketing, mas é obrigatório que seja usado apenas texto. Sem trucagens na TV, sem imagens enganadoras, sem gente berrando na tela, só texto.

Quero ver como o João Santana e o resto da equipe de vendedores de castelos de areia do PT iam se virar para fazer suas mistificações habituais.



Um país de apedeutas

Pela primeira vez em 15 anos o número de analfabetos cresce no Brasil.

Poderia ficar aqui fazendo piada sobre como o PT assim garante o seu eleitorado cativo, mas o fato é que o que este partido está fazendo com o Brasil não tem graça nenhuma.

Quanto mais se atrasa a formação educacional da população, quanto mais o contingente de ignorantes só faz aumentar, mais a qualidade de vida como um todose deteriora, pois cidadãos que não conseguem sequer pensar no contexto do seu país também não sabem nem quais seus direitos ou o que podem cobrar de seus representantes.

Isso tudo é banal, não disse novidade alguma, pelo contrário, até aqui não disse nada diferente do que é falado por aí em qualquer mesa de bar.

Por que então uma gente que está empoleirada no poder há mais de 10 anos é incapaz sequer de impedir que o analfabetismo aumente conforme a população cresce e o falido sistema educacional não a assiste?

É dinheiro mal empregado, são soluções preguiçosas (cota, aprovação automática), péssimos salários para professores pessimamente preparados, escolas sucateadas, um MEC que se preocupa mais com a agenda do marxismo cultural (ensinar lixo socialista, empurrar agendas de grupos sectários gays e feministas, doutrinar ideologicamente estudantes) do que com a formação de cidadãos.

Dessa forma vai se deixando pessoas para trás. E enquanto o PT está preocupado apenas em garantir mais um mandato para que seus sanguessugas continuem parasitando o país, no período um ano o Brasil ganhou 300 mil analfabetos somente entre pessoas de 15 anos de idade ou mais, totalizando 13,2 milhões que não sabem ler ou escrever.

Mas tudo bem. Números podem ser espancados até que digam o que interessa, a presidente foi para o Twitter fazer palhaçadas junto com um sujeito que se traveste virtualmente à sua imagem, a propaganda oficial torra milhões para fazer os incautos acreditarem que o país de verdade é aquele da televisão, Lula já avisou que vai voltar "para alegria de uns e desgraça de outros" e a companheirada já esfrega as mãos imaginando mais quatro anos recebendo salário do governo sem ter que trabalhar de verdade.

Dane-se o Brasil. O negócio é o PT.

Link da notícia: http://noticias.terra.com.br/educacao/ibge-analfabetismo-cresce-pela-primeira-vez-desde-1998,e5e1e55448c51410VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html



sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Coeficiente do assistencialismo

O Morgenstern uma vez criou a seguinte fórmula: todo mundo que precisa ganha Bolsa Família, mas quando tem um filho perde a bolsa.

Para não dizerem que sou um neoliberal que bebe sangue de criancinhas, prefiro sugerir o seguinte algorítimo: toda pessoa necessitada ganha Bolsa Família, quando tem um filho continua ganhando, no segundo filho perde metade, no terceiro filho não ganha mais nada.

Para um programa que foi criado com a intenção de reverter a pobreza e hoje se dedica a administrá-la e instrumentalizá-la politicamente, acho que seria pelo menos um pouco mais justo com o pagador de impostos.



É brincadeira

Entre 2011 e 2013, segundo dados do Ministério da Saúde, o governo Dilma fechou 12.697 leitos.

Mas a cubanada revolucionária vai consertar até isso. Provavelmente uns vão brincar de médico, outros vão servir de cama.



Pobre país

Depois de desembarcar do governo Dilma Rousseff, o governador Eduardo Campos (PSB-PE) afirmou ontem que, se o cenário eleitoral exigir, Lula "volta 20 vezes". O movimento pelo retorno do petista ao grid de candidatos nacionais tem sido desencorajado pelo PT e pelo Planalto para não enfraquecer politicamente a presidente. "O quadro [de 2014] não está muito claro. Lula disse em entrevista esta semana que está no jogo. Ele disse isso. Se o cenário exigir, ele volta 20 vezes", disse Campos à Folha.

Questionado se isso mudaria os planos do partido de, eventualmente, lançá-lo candidato, afirmou: "Depende. Se a gente já estiver voando, vamos seguir voando. Depois de março, vai ficando difícil". Internamente, Campos relata dificuldade de enfrentar o ex-presidente, de quem é amigo. Também não admite abertamente concorrer.

Fonte: Folha de São Paulo

O único comentário possível para essa notícia é: Eduardo Campos até puxa saco do PT, mas só se o saco em questão for o do Apedeuta. A cada declaração dessa ele se parece mais e mais apenas com uma viúva do lulismo.

Fora que Marina Silva é uma melancia (verde por fora e vermelha por dentro) e o PSDB ainda segue lutando internamente para ver se vai unido ou se José Serra sai e se candidata por outro partido.

Basicamente esta é a oposição no Brasil.

Pobre país.




O ridículo das cotas raciais num simples pedaço de bolo



A filial da organização Jovens Conservadores da Universidade do Texas resolveu fazer algo bem didático para demonstrar a total inutilidade e idiotice que são as chamadas "ações afirmativas".

Ao invés de simpósios, mesas redondas ou protestos, onde invariavelmente apareceriam os demagogos raciais berrando "racissssssta!", eles tomaram uma atitude bem mais simples: organizaram uma barraquinha para vender bolos.

Até aí nada demais, até as vovozinhas do Campo de São Bento, em Niterói, vendem pedaços de bolo numa feirinha, a diferença é que eles aplicaram todo o absurdo das cotas nos preços do lanche.

Sendo assim, uma pessoa branca teria que pagar 2 dólares, um asiático 1,50, um latino 1 dólar, um negro 0,75 centavos e um índio 0,25 centavos.

Todas as mulheres, independente da sua cor, ganham 25 centavos de desconto na compra do seu bolo.

De acordo com o presidente da entidade, Lorenzo Garcia (note-se que não é nenhum descendente de suecos ou alemães), o grupo pretende demonstrar algumas coisas com isso, como, por exemplo, o fato de ser depreciativo para minorias dizer que eles precisam de uma ajudinha para ter sucesso.

Ele ainda acrescentou que a sociedade jamais será realmente integrada e diversa enquanto as pessoas tomarem decisões baseadas na raça do outro, além de que ações afirmativas geram, sim, mais discriminação e tensão racial do que ganhos e finalmente que, por conta dessas políticas coitadistas, uma pessoa menos capacitada acaba tendo um resultado melhor simplesmente por causa da cor da sua pele ou sexo do que pelo seu preparo.

É a lógica tosca da esquerda, que confunde oportunidades iguais com a garantia de resultados iguais.

Numa época em que um sujeito branco de olhos verdes se declarou negro e conseguiu assim passar numa prova do Instituto Rio Branco através da política de cotas, é importante questionar o quanto de sangue negro ele precisaria comprovar para que pagasse apenas 0,75 centavos pelo bolo.

É o governo abrindo mão de trabalhar para ao invés disso dar coisas a grupos de pessoas que considera serem politica e ideologicamente interessantes.

Nada a ver com justiça, com integração ou melhoria da formação dos indivíduos, políticas de ação afirmativa só prestam para partidos de esquerda vomitarem toneladas de números (não sei quantos mil na universidade, não sei quantos mil fazendo curso técnico) e para demagogos raciais ("movimento negro", "associações afro", ONGs, etc.) ganharem seu sustento em cima do tema.

O resultado prático, sem maquiagem, é que algumas pessoas por conta da cor da sua pele tomam a vaga de outra sem merecer.

Ponto.

Link da notícia: http://totalfratmove.com/young-conservatives-of-texas-throw-affirmative-action-bake-sale-at-university-of-texas/#o69jG6VMmv6sBLVg.99

Questão de coerência

Quem sai por aí usando uma camiseta com a foto de Che Guevara ou mesmo com uma foice e martelo não tem porque não usar uma dessas também.


Imagens que dizem tudo

Poderia escrever mil linhas, mas uma imagem só basta.




quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Público x privado

Em azul, dilapidada, a caixa de correio do U.S. Post Office, serviço postal estatal americano. Bem ao lado, caixas da Fedex e da UPS, empresas privadas, estalando de novas.

Ainda assim, com provas diárias de como não existe nada que o setor privado faça mal que o Estado não faça pior - ou, ao contrário, de que não existe nada que o Estado faça que o setor privado não possa fazer melhor - tem gente que acha que a solução para tudo é estatizar. Tem gente que tem a cara de pau e a cretinice de demonizar as privatizações em campanhas eleitorais.

Petróleo, distribuição de águas, esgotos, estradas, portos, aeroportos, empresas de telefonia, mineradoras, rádios, TVs, transportes, enfim, tudo tão bem cuidado pelo governo quanto aquela caixa azul do correio estatal.

Aquela caixa azul é o Brasil. Aquela caixa azul é o sonho do PT e de suas hordas de farofeiros de esquerda para o Brasil.

E o pesadelo do bom senso e do respeito ao dinheiro do pagador de impostos.




Cota para carona

Quando você pensa que o conceito de uma "#DicaGentil, ofereça carona a um amigo" já é o ápice do mala, aparece um mala maior ainda e questiona o fato da #DicaGentil não aderir à política de cotas.

É demais até pra quem tem saco de filó.





Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

Depois daquela lógica bizarra de dizer "sou vadia, mas ninguém pode me chamar de vadia", além do uso de imagens religiosas para uma performance de bestialismo durante a visita do Papa, a grande preocupação das feministas é a luta contra as cantadas.

Sim, "chega de fiu-fiu", afinal de contas receber uma cantada na rua (note, uma cantada, não uma apalpada, uma curra ou um estupro) é algo que ofendeprofundamente a mulher enquanto mulher.

"Oh, ele fez fiu-fiu, estou traumatizada! Sociedade machista, cultura do estupro!". Só esquecem do "Oh, ninguém fez fiu-fiu, estou gorda! Sociedade machista que oprime a mulher com seu padrão de beleza", mas tudo bem.

O feminismo tosco que se pratica hoje em dia resolveu adaptar aquela parte da doutrina Bush que dizia que "ou você está conosco ou está com os terroristas" e transformar em "ou você concorda com todas as nossas bizarrices ou é um estuprador".

Agora o que elas diriam de mocinhas que aplicam o seguinte algorítimo: "É Feio? Estupro. É bonito? Opa, você passa por aqui todo dia?".

Fico em dúvida se seria "moça, você é machista" (o bordãozinho cretino que elas usam quando não podem acusar outra mulher que discorda delas de "estupradora") ou "pegou o telefone do gato?".

Não seria de espantar.





Endereço certo

Em azul, dilapidada, a caixa de correio do U.S. Post Office, serviço postal estatal americano. Bem ao lado, caixas da Fedex e da UPS, empresas privadas, estalando de novas.

Ainda assim, com provas diárias de como não existe nada que o setor privado faça mal que o Estado não faça pior - ou, ao contrário, de que não existe nada que o Estado faça que o setor privado não possa fazer melhor - tem gente que acha que a solução para tudo é estatizar. Tem gente que tem a cara de pau e a cretinice de demonizar as privatizações em campanhas eleitorais.

Petróleo, distribuição de águas, esgotos, estradas, portos, aeroportos, empresas de telefonia, mineradoras, rádios, TVs, transportes, enfim, tudo tão bem cuidado pelo governo quanto aquela caixa azul do correio estatal.

Aquela caixa azul é o Brasil. Aquela caixa azul é o sonho do PT e de suas hordas de farofeiros de esquerda para o Brasil.

E o pesadelo do bom senso e do respeito ao dinheiro do pagador de impostos.



quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Questão de prioridade

Vamos lutar contra o ideal burguês, pela legalização da maconha, pela legalização aborto na América Latina e no Caribe, vamos fazer uns congressos para decidir se os DCEs (dominados por algum partideco de esquerda) é contra ou a favor da Lei da Gravidade, bora pintar umas faixas, ocupar alguma coisa, berrar (eles nunca falam, só berram) "Fora Cabral" ou "Abaixo o Imperialismo, por uma América Latina Socialista!", puxar o saco da UNE, do PC do B, do PT, do PSOL, de um monte de encostado em sindicado, vamos criar mais alguma comissão para debater alguma coisa bem genérica tipo "um mundo melhor" ou "o fim da desigualdade".

As universidades federais não precisam de mais nada mesmo.



Pergunte ao gato


As novas listas negras

Faz tempo que considero esse site "Pragmatismo Político" um lixo propagador de marxismo farofeiro, mas até para a desonestidade intelectual deveria haver um limite.

Bom, não há.

A esquerda brasileira em todas as suas matizes de marrom cocô (só são vermelhos por fora) resolveu que chegou a hora de radicalizar. Tudo.

E tome médicos cubanos, comissão da verdade fazendo barraco na porta do antigo DOI-CODI, projeto censurar a internet brasileira sob desculpa de "agir contra a espionagem", controle da mídia, vagabundos do MST tocando o terror no campo, vagabundos dos black blocs tocando o terror nas cidades, o PT e suas falanges do ódio na internet cada vez mais raivosos, crimes eleitorais, perseguição a adversários, mentiras, roubalheira, etc., etc., etc.

Mas voltar às praticas denuncistas e difamatórias que destruíram a vida de gente como Wilson Simonal, por exemplo? Criar "listas negras" de artistas que "colaboraram com a ditadura"? Seria isso inspirado no serviço telefônico criado por Nicolas Maduro na Venezuela para que a população denuncie "inimigos da pátria"?

Daqui a pouco surge o 0800-13-Ratazana para denunciar "inimigos do governo popular do Brasil".

Não adianta. Está no DNA dessa gente o autoritarismo, a perseguição a opositores, a destruição de reputações.

E o Brasil, que segue embarcando nessa nau dos insensatos, vai acordar assustado quando a hora do naufrágio inevitável chegar.



Direita às moscas

Nos Estados Unidos temos os republicanos, no Chile, a Aliança, no Uruguai, o Partido Nacional, na Inglaterra, os tories, na Alemanha, a CDU de Angela Merkel, em Portugal, o PSD, na Espanha, o Partido Popular, no Canadá, os conservadores, enfim, praticamente todo país do mundo, com democracias mais ou menos maduras, possui alguém que chega para o eleitor e diz:

- Prazer, defendo o estado austero, o controle fiscal, a meritocracia, a livre iniciativa, as privatizações, a liberdade individual, a vida, a eficiência no setor público, eu sou a direita.

No Brasil não.

Segundo dizia Mário Henrique Simonsen, se algo "só existe no Brasil e não é jabuticaba pode saber que é besteira".

Por isso temos aqui essa pérola da política brasileira, essa não-jabuticaba que é a democracia sem direita.

Todo mundo envergonhado, pelos cantos, deixando os farofeiros do marxismo falarem suas mentiras e bobagens sozinhos ou deixando que este termo seja sequestrado pelo coronelismo mais anacrônico possível.

Definitivamente o general De Gaulle, na tal frase que nunca disse mas que lhe atribuem do mesmo jeito, estava coberto de razão.

Não é sério.



O papel do Estado na economia

Desenhando fica mais fácil de entender, eu acho.


Incrível

Há 2068 anos atrás e até hoje essas bestas não aprenderam.


Merkel, a grande

Compartilho um excelente texto e deixo apenas um comentário. Angela Merkel:  .

Merkel, a grande

Por Roger Cohen

Henry Kissinger fez a famosa pergunta: qual é o telefone da Europa? Agora ele sabe: é o de Angela Merkel.

Depois de oito anos no cargo durante uma crise que sacudiu países dos EUA à Grécia, Merkel levou o Partido Democrata-Cristão (CDU) à maior votação em duas décadas. Numa eleição pobre de temas, ela era o assunto. Seu slogan era a chanceler . Foi uma vitória pessoal, esta quase maioria absoluta, e foi só isso.

Grande Angela Merkel, maior que a vida , definiu Thomas Schmid num comentário de primeira página do jornal alemão Diel Welt .

Ainda assim, ela é a face na multidão, mais do que a face que se destaca. Amarrotada, desajeitada, com sua calça comprida e blazer quase sempre um pouco apertado, Merkel pode parecer um estudo orquestrado sobre a normalidade, uma criação brilhante de estrategistas políticos antenados com a psiquê pós-traumática alemã. Talvez custe muito dinheiro parecer assim tão simples. Mas com o tempo torna-se claro que ela é apenas o que é, que o poder não a alterou; uma mulher, como Margaret Thatcher, que não dá para mudar.

Merkel é um fenômeno. Ela capturou algo do espírito da época. Nesta era olhe para mim de traficantes de imagem e mercadores de rodopios, ela é o sóbrio antídoto. Ela trabalha muito e é humilde. Poder à imaginação , dizia o slogan dos revolucionários de 1968 na Europa. A chanceler alemã é diametralmente o oposto disso. Ela é um estudo sobre a previsibilidade. Nas palavras de Rainer Stinner, do defenestrado (do Parlamento) partido FDP, ela é a derradeira gradualista. Numa era pós-ideológica, funciona.

Esta Alemanha não tolera experiências. É estável e rica, com seus 5,3% de desemprego, orçamento equilibrado e crescimento firme. Maior nação europeia, com queda para fazer uma coisa de cada vez, está em fase de consolidação. Aqui de novo Merkel se ajusta ao espírito do momento. Uma líder proveniente da antiga Alemanha Oriental, ela está costurando com prudência a união do país. Ela representa uma geração alemã pragmática cujo mote parece ser: depois dos grandes debates, depois da agonia, vamos continuar sendo prósperos.

É fácil esquecer essa agonia. Mais impressionante é o tempo de espera intelectual que a Alemanha adotou. Cada geração do pós-guerra se engajava num debate diferente: o silêncio dos anos de Adenauer deu lugar a raivosas demandas por responsabilidade por parte da geração dos 1960s; e então Willy Brandt de joelhos no gueto de Varsóvia; e a polêmica sobre a colocação no país dos mísseis americanos Pershing-2; e o milagre da reunificação; e o imenso custo desse longo processo; e finalmente a penosa indagação se, depois de Auschwitz, a Alemanha poderia voltar a ser normal e os alemães, orgulhosos - questões que acharam resposta na euforia da conquista da Copa do Mundo de 2006.

Merkel fechou o livro. Ela é a grande consolidadora. Este é o motivo pelo qual ela é amada numa nação cansada de autoquestionamento. Venda carros, equilibre o orçamento, mantenha-se competitivo, evite surpresas e viva feliz para todo o sempre.

É o bastante para o Estado mais poderoso da Europa? Schmid pôs em seu comentário o seguinte título: A chanceler finalmente emergirá de debaixo de suas cobertas? Suspeito que já emergiu: isto é o que Merkel é. Legados não são para ela se envolverem algum esforço artificial para registro histórico.

Ela caminhou numa tênue linha entre a exigência de prudência fiscal por parte dos alemães e a salvação do euro. O mesmo se pode dizer das demandas alemãs por liderança e percepções de sinistra dominância. Talvez, numa provável grande coalizão com os social-democratas, e sem os neoliberais do FDP, ela deverá mostrar um pouco mais de indulgência com a Grécia e outros países em dificuldades. Ela deveria, mas qualquer mudança será mínima.

O que mais? Merkel, mais atraída pelo mundo anglo-saxão que pelo gaulês, fará tudo o que puder para manter o Reino Unido na União Europeia, provavelmente trocando alguma devolução de poderes para os Estados nacionais por maior integração fiscal. Ela trabalhará duro para aumentar a competitividade da Europa. Ela exercerá o poder da discreta maneira germânica: contra o militarismo e o intervencionismo, por uma ordem mundial mais equilibrada, em que os EUA lideram, mas aceitam limites. O legado que ela deseja deixar é o de uma Alemanha forte numa Europa unida num mundo mais livre.

Ela já mudou a Alemanha mais do que as pessoas reconhecem. Há uma geração, alguém que sugerisse que uma mulher sem filhos do Leste pudesse liderar os democratas-cristãos e a Alemanha, com um ministro das Relações Exteriores gay e uma vice-chanceler descendente de vietnamitas seria considerado louco. Ela deu à Alemanha espaço para evoluir.

Giovanni di Lorenzo, editor do semanário Die Zeit , contou-me outro dia que ele estava com sua filha de cinco anos que, ao ver toda a propaganda eleitoral de Merkel, virou-se para ele e perguntou: Esta mulher é a líder do mundo?

Boa pergunta.

Fonte: O Globo



terça-feira, 24 de setembro de 2013

O cartapácio

"O advogado mineiro Vinícios Leôncio ignorou os descrentes e iniciou há quase duas décadas um projeto para reunir em livro as legislações tributárias do País", conta a reportagem do Estado de São Paulo.

Conseguiu. 

Segundo a mesma reportagem, o resultado do esforço do advogado é um livro que pesa 6,2 toneladas e tem um total de 43.216 páginas (cada uma delas com 2,2 m de altura por 1,4 m de largura) que, se enfileiradas, alcançariam uma distância de 95 km.

O colosso precisou que o próprio autor encomendasse equipamentos na China, montasse uma gráfica junto com um amigo, pagasse uma carrada de impostos (algo em torno de R$ 350 mil) e contratasse um engenheiro aeronáutico para desenvolver amortecedores para regular a virada das páginas.

O resultado é um monumento à falência da administração pública no Brasil, à burocracia enervante, à corrupção que atravanca, ao ambiente hostil ao empreendedorismo, enfim, ao atraso.

27 diferentes legislações dos Estados e do Distrito Federal e os mais de 5 mil códigos tributários dos municípios brasileiros, alguns, conta Vinícios, ainda escritos à mão.

De acordo com esse verdadeiro herói, “nem todos os municípios têm sites e a legislação disponibilizada eletronicamente" e "mesmo assim, muitas prefeituras não se dispõem a colaborar, fornecer a legislação, embora seja pública”.

Como podem notar, trata-se de um país que não corre o menor risco de dar certo.

Vinícios acha que o seu livro tem tudo para entrar para o Guinness Book (o recorde atual é de um livro sueco que pesa 2,7 toneladas).

O Brasil pelo jeito se ainda não entrou, merece entrar logo no livro, como o país com o sistema tributário mais ridículo do mundo.

Link da reportagem: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,legislacao-tributaria-vira-livro-de-6-toneladas,675806,0.htm



segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O "macaco"

Tente fazer aí um daqueles exercícios de adivinhação: um escândalo do DEM ou do PSDB, um juiz negro, uma condenação exemplar, um blog sustentado por um dos dois partidos na internet comparando o juiz a um macaco.

Imagine agora o escândalo que fariam as ONGs, a OAB, a Secretaria de "Igualdade Racial", a Regina Casé e demais artistas da esquerda caviar, o "movimento negro" e o próprio PT e sua matilha de cães raivosos com algo assim.

Pois aconteceu. No desfile de sordidez e baixaria que assistimos diariamente vindo da esgotosfera governista, até lugar para racismo tem.

Joaquim Barbosa comparado a um macaco pelo site que se auto-intitula, sem que ninguém do governo ou do partido conteste, "o maior portal da Dilma Rousseff na internet".

Reações de toda essa gente sempre pronta a patrulhar quem não faz parte do bando? Até agora só o silêncio habitual que se faz sempre que algum petralha é pego sendo ele mesmo, sem as máscaras da hipocrisia e da demagogia que exibem em público.

Parece que eles podem tudo. Petista tem embargo infringente até para se livrar da falta de vergonha na cara.





A hipocrisia da esquerda

Desnecessário qualquer maior texto explicativo. 

Quem se preocupa com a fome na África, com o "casamento" gay, com a dívida histórica de a, b ou c, com a "sociedade machista patriarcal, com os trabalhadores de fábricas chinesas, com as desigualdades do capitalismo, com a "truculência" da polícia contra "manifestantes" (gente a soldo fazendo política na rua) e não se preocupa com o que o traficante que vende a sua maconha faz é, pura e simplesmente, um hipócrita ridículo.

Como, aliás, bem sói a quase todo "progressista".



Os FDPs

A Alemanha tem um partido que a sigla é FDP, que no idioma do país quer dizer Partido Democrático Liberal (Freie Demokratische Partei), mas bem que poderia ser adaptado ao português e aplicado no Brasil a um super-partido formado por praticamente 100% dos políticos em atuação no país.

Note que eu disse praticamente 100%, nem todos seriam FDPs.



Partido Novo, seja realmente novo

O "Novo" que nasce velho

Há algum tempo tinha curtido a página do tal Partido Novo, que se propunha a defender valores que acredito serem bons como economia de mercado, meritocracia, liberdade individual, entre outros.

Não sei se a criação de mais um partido seria o ideal para o Brasil, que já tem tantos, mas por que não?

Só que um dia desses me espantei quando li a página deles divulgando um texto com o seguinte trecho:

"O Partido Novo não é direita, nem esquerda e nem centro. O Partido Novo é a favor do povo brasileiro por inteiro."

Nem de direita, nem de esquerda e nem de centro? Me desculpem, mas isso é uma bola de futebol: sem lado e oco por dentro.

Resolvi questionar tal disparate, afinal, direita envergonhada este país já tem de sobra, e acabei recebendo uma resposta mal educada:

" já explicamos inúmeras vezes acima o nosso posicionamento. Nosso discurso do que queremos é claro e objetivo. Os fundadores e apoiadores do NOVO tiveram coragem e atitude para fazerem algo efetivo. Ficamos com a seguinte dúvida que gostariamos de lhe perguntar: se há, no seu entender e de milhões de brasileiros, a necessidade tão clara da existência de um partido que ao invés de dizer o que irá fazer, como o NOVO, apenas assuma o rótulo que é um partido de direita, por que nenhuma desses pessoas, incluindo você, não faz algo concreto e monta este partido? Deixar os mihões esperando ansiosos ao que parece não é culpa do NOVO, mas sim de todos que preferem assumir a comoda posição apenas de criticos e observadores ao invés de fazer algo efetivo. Sugerimos a sua reflexão." [sic]

Como podem ver, a solução deles é a seguinte: se não gostou vá lá e monte mais um partido.

E com essa mentalidade estúpida ainda chegaremos aos 140.646.446 milhões de partidos, o que pela conta de 2012 era o número de eleitores no Brasil.

Sinceramente, não é assim que se constrói nem um partido e nem um país sério.

Elencar idéias e ideais, propostas e no entanto não assumir, sim, que tem um lado, já que as únicas pessoas que não assumem seu lado são essas da direita envergonhada, porque a esquerda bate no peito e assume com orgulho, é a receita para a criação de um PR, de um PSD e outros tantos pês que vemos por aí.

Apenas letras que não querem dizer nada, veículos para disputa eleitoral.

Já que assinei até a ficha para que o PSOL fosse criado, visto que sou um democrata convicto e acho que todos que assim desejarem devem ser representados (ainda que acredite que essa renca de partidos seja ruim para o Brasil, mas se a lei permite, que cumpra-se a lei), não me arrependo de ter assinado a ficha do tal Partido Novo, mas desde já sei que é só mais uma agremiação para se emaranhar nesse cipoal da política brasileira.

Pobre país este.



A indiferença com a matança de cristãos no mundo

Leiam com atenção estas manchetes que colhi em rápida pesquisa pela internet:

"Março 2010: Massacre na Nigéria deixa 528 cristãos mortos Pastores muçulmanos cortaram homens, mulheres e crianças a golpes de facão.

Abril 2011: Costa do Marfim: massacre muçulmano de 1 000 cristãos.

Março 2012: Membros do grupo jihadista Boko Haram prometem “erradicar o Cristianismo” na Nigéria.

Abril 2012: Paquistão: Menina cristã de 12 anos foi sequestra obrigada a casar e torturada, espancada e estuprada por 8 meses por não se converter ao Islã

Abril 2012: Muçulmanos incendeiam igreja católica no Sudão Sul.

Maio 2012: Atentados contra cristãos deixam 23 mortos na Nigéria

Junho 2012: Cinco explosões são registradas em igrejas do norte da Nigéria

Julho 2012: 50 cristãos queimados vivos na casa de um pastor na Nigéria

Agoato 2012: Extremistas muçulmanos matam 16 cristãos que liam a Bíblia

Outubro 2012: França: Muçulmanos pressionam comerciantes para impedir a venda de bebidas alcoólicas, carne de porco e roupas femininas no mercado

Novembro 2012: Bélgica - Tradicional árvore de natal pode ser banida para não ofender muçulmanos

Dezembro 2012: Dez cristãos são degolados por islamitas na Nigéria.

Janeiro de 2013: No Egito, família inteira é condenada à prisão por se converter ao cristianismo.

Fevereiro 2013: Rebeldes sírios matam cristão por usar um crucifixo.

Maio 2013:Ataque em igreja e mercado mata 10 na Nigéria.

Junho 2013: islâmicos apoiados pela Turquia atacaram a vila al-Duvair, na Síria, de maioria cristã, nos arredores de Homs onde massacraram seus cidadãos, inclusive mulheres e crianças.

Agosto 2013: Em dois dias, ao menos 17 igrejas foram atacadas por ativistas islamistas.

Setembro 2013: Massacre no Quênia: muçulmanos invadem shopping para matar cristãos Segundo a Cruz Vermelha local, 39 pessoas morreram."

Como podem notar, não precisei me esforçar muito para encontrar desde massacres até atos de intolerância contra a cultura de países que recebem pessoas que praticam esta religião.

O que assusta é que no ocidente o discurso é sempre o mesmo, dizem que é "uma minoria radical", que "eles não representam a grande maioria pacífica", que "precisamos ser tolerantes", que "devemos aceitar a cultura alheia", que "o islã é a religião da paz que é mal compreendida", entre outras bobagens.

Sinceramente não conheço outra religião que mate tanto, pregue tanto o ódio e conviva tão bem com tantas atrocidades quanto esta.

Pouco a pouco vão impondo sua visão na Europa e já começam a estender seus tentáculos para a América do Sul no que, segundo seus críticos mais ferozes, é um plano para transformar o mundo num imenso califado.

Não sei se chega a tanto (exageros me dão alergia), mas vindo de uma religião que se orgulha de converter pessoas pela força da espada, o mais espantoso é que ninguém ainda tenha se dado conta de que algo muito sério acontece.

Até quando a "tolerância" e o "multiculturalismo" serão usados para submeter o ocidente à violência em nome de valores que lhe são estranhos? Até quando pessoas que vivem nesses grotões do mundo não terão a mesma liberdade que muçulmanos desfrutam nos países ocidentais que eles mesmos tanto deploram?

Para conhecer a natureza do que alguém defende, basta que se descubra o tipo de vida que aquilo proporciona.

Atentados, execuções, perseguições, autoritarismo, intolerância, a proibição da livre prática de outras religiões (na Arábia Saudita é CRIME portar um terço, por exemplo), a censura, o obscurantismo, a supressão de direitos, a instalação das mais sanguinárias teocracias, isto é o tipo de vida que a aplicação da sharia (a lei islâmica) proporciona.

E a tolerância com os intolerantes somente fortalece a estes, que a utilizarão para ganhar terreno até que os "bonzinhos" ocidentais se submetem por bem, para que depois, caso necessário, se submetam pela espada.

Os fatos não dão margem a interpretações muito diferentes.

Infelizmente.



sábado, 21 de setembro de 2013

Na Venezuela não tem papel

Acredite se quiser: a Venezuela ordenou a ocupação de uma fábrica de papel higiênico. 

"A decisão foi tomada ao observar a vulnerabilidade deste direito no acesso ao papel higiênico", disse a chefe da reguladora Superintendência Nacional de Custos e Preços (Sundecop), Karlín Granadillo, em comunicado à imprensa.

O pior não é uma besta quadrada como Nicolas Maduro fazer isso, pior mesmo é saber que existem bestas quadradas que desejam esse tipo de coisa no Brasil.

A impressão que dá é que esquerdistas são tão preguiçosos que preferem que falte papel higiênico, porque assim não precisam limpar a própria bosta e ainda tem oportunidade de fazer mais algumas pelo caminho.

Link da notícia:http://exame.abril.com.br/economia/noticias/venezuela-ordena-ocupacao-de-fabrica-de-papel-higienico

Guerrilha do bem

Ontem precisei fazer mais um daqueles meus protestos silenciosos.

Ao me deparar com o livro campeoníssimo de vendas do Olavo de Carvalho numa prateleira inferior e com esse panfleto petista no ponto mais alto de exposição, tive que fazer a correção deste terrível equívoco.

Por um mundo menos idiota, a Olavo o que é de Olavo.





quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O bilionário dono da Virgin e a boina do sujeito que queria destruí-lo

Tem quem chame de esquerda caviar, de revolucionário do Toddynho, de esquerdopata, de esquerdista caricato. Eu gosto de todos os termos.

Mas o que se vê aí nada mais é do que a esquizofrenia da elite capitalista em relação a ideologias que desejam a sua destruição. Não é a toa que um assassino covarde como Che Guevara virou um ícone da moda.

São as pessoas brincando com um kraken de pelúcia, achando que o monstro real também é de brincadeira.

Perguntem quantos telefones livres e desbloqueados este senhor pode vender em Cuba ou na Coréia do Norte.

Simplesmente ridículo. Mesmo que só de brincadeira.



Quem te conhece que te compre

Só admira as belezas do marxismo quem é idiota, malandro, pretensioso, pilantra.

O idiota porque acredita numa quase religião.
O malandro porque sonha com um Estado que lhe dê tudo.
O pretensioso porque pensa que o "proletariado" precisa de um líder e o líder, claro, será ele.
O pilantra porque nem mesmo acredita naquilo, mas vê uma boa oportunidade de solapar a democracia e surrupiar o poder.

Mas quem conhece o marxismo de verdade, quem já passou pelo pesadelo socialista, só quer uma coisa dessa idiotopatia coletiva: distância.

E a América Latina, Brasil incluído, está bovinamente seguindo este caminho.

Que acorde enquanto ainda é tempo.



quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Dane-se o Brasil

Raciocinem comigo: se o eleitor votou Lula, Dilma, Haddad, Jilmar Tatto, Marco Maia, Vaccarezza, Genoíno, João Paulo Cunha, Maluf, Collor, Renan Calheiros, Natan Donadon, Sérgio Cabral, Sarney, entre outras estrelas deste aterro sanitário que é a política brasileira e continua mantendo a popularidade do PT em alta, continua engolindo toda a propaganda mistificadora de João Santana, continua tratando tudo isso como "piada de salão", por que os ministros do STF, muitos dos quais apenas contínuos colocados ali para fazer política partidária, haveriam de agir diferente?

Eles não disseram "dane-se o Brasil" ou simplesmente "foda-se você", eles apenas agiram como reflexo da maioria.

O Brasil é um país sem moral.

Esta é a sentença.





Porque aliens não falam com humanos?

Se você fosse um alienígena enviado para a Terra com o intuito de espionar os habitantes locais para uma futura colonização (ou imigração, vá lá) e se deparasse com:

Os grupos pró e anti Marco Feliciano, uma passeata contra a aposentadoria de um cantor de trio elétrico, uma multidão que sai na rua sem saber porque, criminosos condenados escrevendo colunas nos jornais reclamando da sentença ou exercendo mandatos de deputado, governos há mais de uma década no poder dizendo que "não se faz nada do dia para a noite".

Sem contar também com caixas de comentários de sites de notícia, trocas de mensagens no Facebook, tuitadas, programas de auditório na TV, memes que circulam pela internet, sub-celebridades seguidas por paparazzis que depois noticiam coisas importantes como "ele tomou sorvete" ou "ela depilou o buço".

E ainda: jogadores de futebol e pagodeiros ganhando mais do que médicos e engenheiros, um país que aboliu a escravidão há mais de 100 anos aceitando alugar pessoas (médicos) como se fossem mercadoria, gente que diz que quer "democratizar" as coisas (meios de comunicação, jornais, a internet, a canja de galinha da sua avó) mas que na verdade quer é censurar, feminazis brigando contra o "fiu-fiu" ao mesmo tempo em que defendem que mulheres saiam sem blusa na rua, pastores evangélicos presos por estupro, um moleque fazendo um vídeo gritando "mamilos" e com isso virando celebridade nacional.

Fora o resto.

Será que esse alienígena recomendaria contato com um planeta assim ou, por medo de ser algo contagioso, diria para a sua espécie manter distância segura desse lugar, instalando até uma cerca elétrica no espaço sideral, se for possível?

No lugar dele eu sei que ficaria bem amedrontado de me esquecerem para trás na fuga.



terça-feira, 17 de setembro de 2013

Check list

( ) Exame de revalidação

( ) Diploma original

( ) Tradução juramentada da documentação

( ) Responsabilização por eventuais erros médicos

( ) Responsabilização dos tutores por eventuais erros médicos.

Não precisa marcar nenhuma das opções. Nem você e nem qualquer um dos escravos cubanos que vieram fazer proselitismo médico para o PT no Brasil precisam de nada disso.

Além de todos os absurdos que o governo comete com esse programa, agora também ficamos sabendo que se alguma dessas pessoas que vieram para cá trabalhar como médicos causarem qualquer tipo de problema a um paciente, nada e nem ninguém será responsabilizado, porque a Advocacia Geral da União e o Ministério da Saúde resolveram que o paciente que se exploda, o negócio é mostrar números.

Dessa forma o PT, partido que não prestou para erradicar nenhum dos males que assolam o país, conseguiu, rápido como quem rouba, extinguir o erro médico no Brasil.

Salve-se quem puder.

Link para a reportagem: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,tutores-nao-responderao-por-infracoes-de-medicos-estrangeiros,1075460,0.htm



A ditadura digital

As manifestações de junho de 2013 terminaram fazendo muito mal ao Brasil.

Barrou-se um punhado de leis impopulares, os gatos gordos do poder sentiram um pouco de medo, mas também os radicalóides puderam tomar a rua de vez (black blocs et caterva) e o PT soltou as amarras do seu chavismo mais truculento e imbecil.

Os médicos-escravos da ilha prisão dos irmãos Castro são só o começo. Eles ainda farão de tudo para manietar a democracia através de leis eleitorais e aparelhamento do Estado (até o STF já conta com um timaço de puxa-sacos da companheirada por lá) e assim dar sua guinada rumo ao tão sonhado autoritarismo.

Mas uma notícia do site Gizmodo dá bem a idéia do tamanho do problema. A menos que seja um hoax (tomara, em certas ocasiões prefiro estar enganado do que certo), o governo do PT pretende "isolar" o Brasil do "resto" da internet.

Sob a desculpa de impedir "espionagem americana", o Brasil tomaria medidas que colocariam o país ao lado de campeões da democracia como o Irã, a Arábia Saudita, a China e a Coréia do Norte.

Entre as medidas propostas pelo lulopetismo, constam a obrigatoriedade de empresas como Google e Facebook construírem servidores dentro do país, para se sujeitarem às suas leis, rotear o tráfego brasileiro, lançar um serviço de email estatal e instalar um cabo submarino para conectar o país à Europa diretamente.

Imagine a internet sujeita a esse governo, controlado por este partido, com esse Congresso e tendo apenas Barrosos, Teoris, Lewandowskis, Toffolis e Rosas Weber entre eles e a censura total.

Segundo especialistas consultados pela Folha de São Paulo, "o esforço da maior economia da América Latina para se isolar digitalmente da espionagem dos EUA poderia ser não só custoso e complicado, mas também poderia encorajar governos autoritários a buscar maior controle técnico sobre a internet para esmagar a liberdade de expressão interna".

Traduzindo: ditadura digital.

Ora, como esses especialistas podem pensar isso? Nicolas Maduro? Cristina Kirchner? Rafael Correa? Evo Morales? A companheirada do PT? Querendo censurar alguém? Que absurdo!

Só mesmo a elite golpista americanizada poderia imaginar tamanho absurdo desses baluartes da liberdade de expressão.

Em todo caso, faça como Edward Snowden e comece a preparar sua fuga para a Russia, porque perto do que vai virar a América Bananense caso esse tipo de coisa seja levada a cabo, a proto-ditadura de Vladimir Putin vai parecer um paraíso democrático.

Link para a matéria do Gizmodo: http://gizmodo.com/how-brazil-wants-to-purge-america-from-its-internet-aft-1333914046?utm_campaign=socialflow_gizmodo_facebook&utm_source=gizmodo_facebook&utm_medium=socialflow

Link para a matéria da Folha de São Paulo: http://www1.folha.uol.com.br/tec/2013/09/1343181-plano-de-isolar-a-internet-do-brasil-e-um-erro-dizem-especialistas.shtml



Da série "As catacumbas de um cérebro baldio"

Ladrão rico é safado, sem vergonha, merece o paredão.

Ladrão pobre é um incompreendido que está revoltado porque só tem um prato de arroz para comer.

Assalto a mão armada é "juízo de valor de alguém que teve todas as condições". E por aí vai.

Se marxismo não for uma seita, com certeza é alguma espécie de droga idiotizante. Taí um típico marxnóia para provar.