sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O ridículo das cotas raciais num simples pedaço de bolo



A filial da organização Jovens Conservadores da Universidade do Texas resolveu fazer algo bem didático para demonstrar a total inutilidade e idiotice que são as chamadas "ações afirmativas".

Ao invés de simpósios, mesas redondas ou protestos, onde invariavelmente apareceriam os demagogos raciais berrando "racissssssta!", eles tomaram uma atitude bem mais simples: organizaram uma barraquinha para vender bolos.

Até aí nada demais, até as vovozinhas do Campo de São Bento, em Niterói, vendem pedaços de bolo numa feirinha, a diferença é que eles aplicaram todo o absurdo das cotas nos preços do lanche.

Sendo assim, uma pessoa branca teria que pagar 2 dólares, um asiático 1,50, um latino 1 dólar, um negro 0,75 centavos e um índio 0,25 centavos.

Todas as mulheres, independente da sua cor, ganham 25 centavos de desconto na compra do seu bolo.

De acordo com o presidente da entidade, Lorenzo Garcia (note-se que não é nenhum descendente de suecos ou alemães), o grupo pretende demonstrar algumas coisas com isso, como, por exemplo, o fato de ser depreciativo para minorias dizer que eles precisam de uma ajudinha para ter sucesso.

Ele ainda acrescentou que a sociedade jamais será realmente integrada e diversa enquanto as pessoas tomarem decisões baseadas na raça do outro, além de que ações afirmativas geram, sim, mais discriminação e tensão racial do que ganhos e finalmente que, por conta dessas políticas coitadistas, uma pessoa menos capacitada acaba tendo um resultado melhor simplesmente por causa da cor da sua pele ou sexo do que pelo seu preparo.

É a lógica tosca da esquerda, que confunde oportunidades iguais com a garantia de resultados iguais.

Numa época em que um sujeito branco de olhos verdes se declarou negro e conseguiu assim passar numa prova do Instituto Rio Branco através da política de cotas, é importante questionar o quanto de sangue negro ele precisaria comprovar para que pagasse apenas 0,75 centavos pelo bolo.

É o governo abrindo mão de trabalhar para ao invés disso dar coisas a grupos de pessoas que considera serem politica e ideologicamente interessantes.

Nada a ver com justiça, com integração ou melhoria da formação dos indivíduos, políticas de ação afirmativa só prestam para partidos de esquerda vomitarem toneladas de números (não sei quantos mil na universidade, não sei quantos mil fazendo curso técnico) e para demagogos raciais ("movimento negro", "associações afro", ONGs, etc.) ganharem seu sustento em cima do tema.

O resultado prático, sem maquiagem, é que algumas pessoas por conta da cor da sua pele tomam a vaga de outra sem merecer.

Ponto.

Link da notícia: http://totalfratmove.com/young-conservatives-of-texas-throw-affirmative-action-bake-sale-at-university-of-texas/#o69jG6VMmv6sBLVg.99
0 Comentários