segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Cadê a direita, minha gente?

Pesquisa do Datafolha revela: 49% dos brasileiros são de direita ou centro-direita, enquanto 30% são de esquerda (curiosamente a mesma porcentagem de votos cativa do lulopetismo e seus satélites).

A pesquisa agrupou as pessoas por valores sociais, políticos e culturais, como a influência da religião, opinião em relação à pena de morte, entendimento sobre as causas da criminalidade, entre outros, determinando, por exemplo, que a opção por punições mais severas para criminosos é uma posição "de direita".

Para se ter uma idéia, 48% dos entrevistados responderam que sindicatos servem mais para fazer política do que para defender os trabalhadores.

O que isso quer dizer? Simples: que nosso quadro partidário, sem um único partido sequer assumidamente de direita, é uma vergonha.

Que cada vez que um político com claras posturas liberais e conservadoras abre a boca para se dizer "de esquerda", ele próprio abre mão de representar um vasto contingente de pessoas que vaga por aí, votando sempre no "menos pior", porque não há quem os represente.

O caminho pela esquerda, como mostra a pesquisa, está tomado completamente pelo PT. Suas políticas sociais fajutas e seus braços sindicais tornam impossível que qualquer outro prospere por esta via.

No entanto 49% dos brasileiros estão aí esperando alguém que vire o volante, faça uma curva à direita e passe a dialogar com eles, chamá-los para debater as questões do país sob a ótica liberal-conservadora e assim livre o Brasil desta praga que é o marxismo farofeiro e o lulopetismo, seu filhote analfabeto funcional.

O caminho está aí, a estrada possui excelentes condições e não tem nenhum tráfego, falta o carro e o piloto.

E, claro, falta coragem.

Link da notícia: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/pesquisa-datafolha-direita-e-centro-direita-sao-a-maioria-relativa-no-brasil-mas-nao-tem-em-quem-votar/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+ReinaldoAzevedo+%28Reinaldo+Azevedo%29



0 Comentários