quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Mais Mais Médicos

Uma médica cubana pede asilo, provando de uma vez por todas o tráfico de pessoas do qual o governo brasileiro faz parte. Não se ouve um pio da esquerda.

Dois cidadãos são esfaqueados no Aterro do Flamengo por marginais que atuam com o conhecimento da polícia. Nenhum berro vem dos "militantes".

Dissidentes cubanos vão até a nado para outro país, fugindo da fome e da repressão. São "coxinhas", "reacionários" e "lambe-botas dos estadunidenses".

A população se junta, dá uns sopapos num bandido com três passagens pela polícia. "Barbárie!", "absurdo!", "a OAB está investigando!".

Com esses simples episódios prova-se de uma vez por todas que para a esquerda farofeira de Banânia é muito mais grave se opor a um regime autoritário como o cubano ou dar uma surra num ladrão do que alugar pessoas como se fossem mercadorias e sair por aí roubando e esfaqueando os outros na rua.

De um jeito ou de outro estão sempre do lado dos bandidos.

0 Comentários