quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

O ator preso por engano

Sobre o ator preso por engano no Rio, é preciso esclarecer que foi realmente um erro lamentável da polícia, entidade mal paga e mal treinada que presta um serviço abaixo da crítica, ainda que muitas vezes heróico dadas as condições de trabalho que tem disponíveis.
Mas como o ator confundido com um ladrão é preto, já disseram que o caso foi de racismo. Oh, que surpresa.

Vejamos, um sujeito praticou um assalto nas imediações de um shopping, sua descrição batia com a do ator, o ator estava saindo do shopping e a vítima, com certeza abalada, fez um reconhecimento equivocado e disse que ele era o ladrão.

Caso o ladrão fosse chinês, tenho certeza que por mais mal preparados que sejam os policiais não diriam algo como "não, não pode ser chinês, chineses só fazem pastel, vamos procurar um preto".

Aí sim, seria racismo. Mas seguir uma descrição é apenas o procedimento normal, se o meliante era, por exemplo, loiro, ninguém vai procurar por um índio, a menos que fosse um Guarani-Kaiowá de internet.

Nesse caso do ator houve um erro terrível que precisa ser reparado, afinal manter uma pessoa por dezesseis dias na cadeia sem que ela tenha cometido crime algum passa dos limites da "averiguação", mas racismo não.

Que o ator possa superar esse absurdo e que o Estado seja forçado a indenizá-lo na medida da monstruosidade que cometeu contra ele, e aos demagogos raciais de plantão, que tentem de novo na próxima.

Dentre todos os absurdos que essa história possui, racismo não é um deles.

Link da notícia: http://m.g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/02/ator-preso-por-engano-e-solto-no-rj-depois-de-passar-16-dias-na-cadeia.html
0 Comentários