sábado, 22 de março de 2014

Não existe meia liberdade de expressão

Qual o limite da liberdade de expressão? Na minha opinião, praticamente nenhum. Excetuando-se incitação ao crime e coisas como pedofilia e outras bizarrices, acredito que todo cidadão tem o direito de ser até nazista se quiser (basta renunciar ao detalhe do genocídio). A execração e o escárnio público são, para mim, o melhor remédio para idéias idiotas.

Mas ainda que não concorde com a reedição da Marcha da Família com Deus pela Liberdade por motivos que já explicitei aqui, acredito firmemente que todas aquelas pessoas têm o sagrado direito de fazê-la. É direito constitucional de todo cidadão ser exagerado, equivocado ou ridículo.

Mas o site "Pragmatismo Político" não concorda com isso.

Vejamos, tal qual a "Socialista Morena", o "Diário do Centro do Mundo" ou as tirinhas cretinas do tal do Latuff, o Pragmatismo Político é um site claramente esquerdista. Todos eles defendem, em maior ou menor grau, o marxismo farofeiro e os genocidas e tarados políticos da esquerda, vivos ou mortos.

Teorias do século passado e retrasado que só produziram autoritarismo, fome e mortes são disseminadas nestas e outras cloacas como a expressão verdadeira de um "mundo melhor". Todos, sem exceção, berram (eles nunca falam, só berram) que estão exercendo seu direito à LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

E estão mesmo. Como disse acima, cada um destes esquerdopatas de apartamento têm o direito de ser panaca e/ou cretino. Porque defender Fidel, Chávez, etc, etc, só pode ser coisa de gente muito burra ou muito esperta, no pior sentido do termo. Os fatos históricos são auto-explicativos.

De onde então essa gente pensa que tem moral para dizer que pedir uma intervenção militar é "incitação ao crime"? Outro dia a vítima foi a Rachel Sheherazade, só porque disse que é compreensível que um cidadão reaja a um bandido e aplique-lhe uma merecida coça.

A Rachel foi boazinha, porque não considero apenas compreensível, mas desejável.

Só que gente que sai por aí defendendo o aluguel de pessoas como é o caso dos escravos cubanos, criminosos julgados e condenados como é o caso dos mensaleiros do PT, patifes e genocidas como Marx ou Stalin, ditadores bestiais como Raul Castro ou Nicolás Maduro, fora o resto, não tem condição de falar em "incitação ao crime" com tamanha elasticidade de conceito, sob o risco de serem enquadrados diversas vezes no mesmo crime.

O limite da liberdade de expressão para esquerdopatas é o seu gosto pessoal. Se eles gostam, até defender terroristas e assassinos torna-se "argumentar ideologicamente"; se eles não gostam, até mesmo pedir uma improvável intervenção militar (ainda que seja contra um governo que quebrou o país), é um crime pior do que o assassinato de bebês foca.

Fazer passeata para pedir algo todo mundo pode. Uns babacas todo ano fazem uma pelo seu direito de fumar maconha onde quiserem, eu poderia fazer exigindo um milhão de dólares americanos, esse pessoal da Marcha da Família quer que os militares salvem o país do "golpe comunista", enfim, não creio que nenhum de nós vá conseguir o que deseja, mas é nosso direito querer assim mesmo.

Algumas vezes funciona, outras não.

E mesmo se tivesse a certeza de que funcionaria, eu jamais faria uma passeata pedindo que censurassem os "blogs progressistas", por exemplo, afinal se eles não exercessem o seu direito constitucional de falar idiotices 24 horas por dia, eu teria bem menos assunto para exercer o meu direito constitucional de fazer piadas sobre eles.




0 Comentários