terça-feira, 22 de abril de 2014

É hora de dizer chega

Invasores de terra em Santa Catarina ocuparam um terreno da união e ergueram ali um tal "acampamento Amarildo". Sempre que o nome do pedreiro morto na favela da Rocinha é evocado, já suspeito de alguma pilantragem intelectual patrocinada por algum Che Guevara de apartamento, tipo um desses militantes do PSOL, freixetes e gente que defende direitos humanos de forma bastante seletiva.

Mas divaguei.

Moradores do bairro Rio Vermelho atacaram os invasores com rojões. Parece que haviam até estudantes universitários no meio, num gesto que prova que as universidades brasileiras não passam de repositórios de cérebros baldios à procura de uma causa, qualquer uma, que possa dar vazão ao conteúdo imprestável de suas cabeças, geralmente através de berros, urros e chutes em portas de vidro.

Adiante.

O local invadido é próximo a um campo de golfe do resort Costão do Santinho. Funcionários uniformizados do resort participaram do despejo, porque, segundo eles, os sem-terra ameaçavam invadir o campo de golfe. Fartos da baderna, os moradores incendiaram uma barricada com bandeiras da ocupação e partiram para cima dos "sem-terra", botando todo mundo pra correr.

A polícia precisou conter os moradores do bairro, que comemoraram a saída dos invasores depois que a reintegração de posse com as próprias mãos terminou.

Um dos cérebros baldios que estava no local para apoiar a ocupação declarou ao UOL que tiveram que recuar pois não queriam "lutar contra a classe trabalhadora". Pelo visto não entendeu (ou fingiu não entender) que era a classe trabalhadora que estava ali para lutar contra ele.

Denilson Machado, do sindicato dos bancários, declarou que "foi a primeira vez que as autoridades usaram civis na linha de frente para combater o movimento popular (...) acredito que os moradores foram insuflados a combater o movimento social".

Alguém devia avisar ao bancário sem terra que o brasileiro médio não precisa ser "insuflado contra os movimentos sociais", porque o brasileiro médio está de saco cheio deles há muito tempo e agora resolveu começar a dizer chega.

O que o cidadão não suporta mais são aproveitadores que colocam pessoas para impedir uma procissão da Semana Santa, acampadas na frente de prédios públicos, que apoiam black blocs, que fecham ruas, que estimulam invasões, incendeiam ônibus, fazem piquetes, invadem salas de aula, aparecem para pedir a censura à jornalistas que dizem "compreender" quando o cidadão resolve pegar um marginal e dar-lhe uns tapas, que sob a máscara da defesa dos "direitos humanos" tenta impor uma ditadura do pensamento único, que sufoca a liberdade de expressão debaixo do politicamente correto, da supressão do contraditório, do monopólio do bem.

Somente picaretas intelectuais podem achar que ameaçar invadir um campo de golfe - em mais um ato dessa ópera bufa que é a luta de classes das bananas - vai causar algum tipo de reação no cidadão médio, que não padece da psicopatia invejosa da qual todo esquerdista sofre, que não seja o nojo, a indignação, o saco cheio.

Isso que aconteceu em Santa Catarina é o mesmo que aconteceu no Rio de Janeiro quando amarraram um marginalzinho num poste, é o que aconteceu na UFSC quando alunos colocaram esquerdopatas para correr e hastearam novamente a bandeira do Brasil no local onde os filhotes de Nicolás Maduro puseram uma bandeira vermelha e é o que vai acontecer cada vez mais.

Você pode abusar da paciência de alguém até um certo limite. São décadas de hegemonia "progressista" enfiada pela goela das pessoas abaixo. O brasileiro é contra o desarmamento, a liberação indiscriminada de drogas, a relativização do conceito de família, a sexualização da infância, a doutrinação vermelha nas salas de aula.

Mas ele vem sendo submetido a tudo isso calado, talvez na esperança de que os sequestradores da consciência do país tenham um limite, mas eles não tem. Eles continuaram esticando a corda e continuarão esticando até que imponham cada item de sua agenda pervertida ou até que a paciência das pessoas se esgote.

Bom, parece que se esgotou.


Link da notícia: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/04/21/atacados-com-rojoes-e-pedras-por-moradores-invasores-desocupam-area-em-sc.htm 


0 Comentários