domingo, 20 de abril de 2014

O fato e a versão

A Sheherazade disse que compreende quem bate num ladrãozinho, não mandou ninguém bater e nem disse que concorda com quem bate (eu, diferentemente dela, concordo 100%).

José Serra foi IMPEDIDO de fazer uma caminhada no Rio de Janeiro na campanha de 2010. Na porrada impediram que seus correligionários e militantes exercessem um direito constitucional. Algo foi atirado na sua cabeça, se um rolo de fita adesiva, uma pedra ou uma flor, não interessa, o fato primordial foi um candidato à presidência sendo impedido por marginais a serviço do PT de circular com sua campanha pelas ruas do país.

Dois FATOS: Rachel Sheherazade disse que compreende quem bate num ladrão e José Serra foi impedido de andar numa rua por um bando de marginais a serviço de um partido.

O que se espalhou? Que ela INCITOU o linchamento e que ele foi atingido por uma bolinha de papel e fingiu que foi machucado.

Hordas na internet e na imprensa espalharam as versões canalhas, parlamentares de partidecos a serviço do petismo em troca de migalhas subiram na tribuna dando eco às versões canalhas, a repetição fez com que as versões canalhas lançassem dúvidas sobre os fatos reais e em pouco tempo ninguém mais discutia esses fatos, apenas as versões canalhas.

Hoje o debate é se a "liberdade de expressão serve para incitar o crime" assim como em 2010 foi porque Serra fingiu que a "bolinha de papel" era outra coisa.

Notam como a esquerda, mentirosa, canalha, manipuladora, não tem vergonha de repetir uma canalhice até que isso vire o centro dos debates e soterre os fatos?

Rachel não incitou crime algum, Serra foi impedido de fazer campanha e a vítima, como sempre, é a verdade.

Parem de cair nessa. Discutam o fato, não a versão.

A única forma de debater com um esquerdopata é amarrá-lo num poste e dar uma surra com a verdade nele.
0 Comentários