domingo, 18 de maio de 2014

O perigo da Força Nacional

Praça da Paz Celestial, jovens se reúnem para protestar contra a ditadura chinesa. O mundo acompanha tudo apreensivo até que o governo resolve dispersar os 100 mil manifestantes. Envia tanques e soldados de regiões do país sem ligação pessoal com Pequim, muitos falam dialetos diferentes do mandarim da região da capital, o que dificultava até mesmo a comunicação entre eles e os que protestavam.

Os manifestantes resistem, condutores de riquixás ajudam a transportar feridos, a população da cidade ergue barricadas, mas a soldadesca armada responde a tiros e mata entre 400 (estimativa de alguns veículos de imprensa) e 2.000 pessoas (estimativa da Cruz Vermelha).

A manifestação finalmente é sufocada ao custo de muitas vidas. O governo comunista de partido único, ainda que adotando diferentes roupagens econômicas em setores chave, permanece até hoje.

Agora imagine o Rio de Janeiro tomado por fortes protestos contra o governo do terceiro mandato de Lula da Silva. Após "fazer o diabo" e reeleger Dilma, o criador do Poste de Terninho volta ao poder nos braços dos recebedores de prebendas diversas.

Mas a inflação continua, a péssima infraestrutura, a corrupção intragável enfim, o Brasil de Photoshop do João Santana teima em não sair da tela e o Brasil real do lulopetismo continua sendo este purgatório diário.

A multidão cresce, pesquisas indicam que a popularidade do Babalorixá só faz cair e um daqueles frangos de macumba metidos a falcões que cercam o centro do poder petista - os mesmos que vivem pedindo "pau" na oposição e censura na "mídia" - começam a pregar que o melhor a fazer é botar aquele monte de coxinhas e pessoas que servem de massa de manobra da elite e da classe média pra correr e resolvem usar a Força Nacional para isso.

Uma força policial recrutada em todo o país, o que permite, por exemplo, que se envie soldados da região centro-oeste para abafar um tumulto no sul ou uma tropa do norte para descer a borracha em "subversivos" no Rio. Tirando a questão do dialeto, que não existe no Brasil, soa familiar?

Claro que não estou comparando a ditadura chinesa com essa orgia que é o regime petista. Lá os corruptos que são apanhados recebem uma bala na cabeça. Aqui fazem vaquinhas para recolher (mais) dinheiro para eles e ameaçam juízes de morte em sua defesa.

Mas uma força militar, treinada e subordinada ao poder central, legalmente autorizada a intervir nos estados, sob comando de um partido aliado de Cuba e liderado por um sujeito que acha que na Venezuela tem "democracia em excesso", é algo muito preocupante.

O PT vai assim montando sua guarda pretoriana de um lado, enquanto seus parlamentares como Lindberg Farias e sua cachorrada nos movimentos sociais pregam a "desmilitarização" das polícias do outro, ou seja, a abolição do pouco que resta de disciplina e organização nelas.

Some-se a isso o desarmamento da população e faça você as contas.

Sua liberdade, suas garantias constitucionais, seu direito à livre opinião e praticamente todos os aspectos da sua vida dependerão da tolerância e do discernimento de gente como Franklin Martins, Rui Falcão, José Dirceu, Lula, entre outros.

E não tem nem uma Hong Kong ali do lado.

Na foto a formatura de 800 soldados da Força Nacional preparados para "agir" na copa do mundo.



0 Comentários