segunda-feira, 28 de julho de 2014

Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

É tanta idiotice junta que fica difícil até saber por onde começar a fazer chacota, ainda que seja triste que esse tipo de gente custe dinheiro ao pagador de impostos brasileiro, que paga para que alguém seja molestado intelectualmente de tal forma que termina se tornando capaz de pegar o idioma e cometer esse tipo de enforcamento da lógica, espancamento do bom senso e estupro da coerência.

Isso foi enviado por um antigo colega de faculdade, horrorizado com o que leu. O autor(a) de tal texto é aluno(a) de uma universidade federal, além de membro do proletariado-Village-Mall brasileiro, aquele com bastante dinheiro para passear pelo mundo enquanto, entre um porre de vinho e outro, se solidariza com os oprimidos.

São os oprimidos com cartão de milhagem, tanto que nesse momento esse(a) oprimido(a) aí está na Palestina fazendo a "luta de classes" (risos, o Vale do Jequitinhonha não deve ter tanto glamour pelo visto).

Num cartapácio nauseante (cortei 80% do entulho) essa pessoa despeja sua logorréia de esquerdopata farofeira e diz basicamente o seguinte: Israel é fascista, machista, homofóbico, genocida, invasor, torturador, assassino, feio, bobo e cara de melão e por isso merece ser exterminado da face da terra, já que representa o "capital", algo que é totalmente "antinatural" para um ser humano (deve ser por isso que temos a impressão de que cubanos fogem a nado para o capitalismo americano,quando na verdade é alguma corrente marítima contrária que devolve os americanos que fugiriam para Cuba à Miami).

No final de uma mensagem melosa e cheia de apelos emocionais típica da esquerda Justin Bieber, a pessoa defende os sequestros de israelenses e as bombas lançadas pelo Hamas sobre as cabeças de civis.

O mundo é lindo, de pelúcia, vamos dar uma chance à paz, Israel comete crimes de guerra, mas enquanto isso sequestrem e matem esses "sionistas", por favor. Mortes em Israel são "suspiros de esperança". O único suspiro que sai de alguém que diz uma insanidade dessas deve ser um peido pela orelha, já que o cérebro está recheado de fezes.

Como Marx era uma aberração, um judeu antissemita e psicopata ressentido que não tinha respeito nem pela própria família, não podemos esperar nada muito diferente de seus "seguidores". Coerência não é o forte dessa gente.

Mas adiante.

O comentário subsequente (provavelmente de algum coleguinha da pessoa) fala num "problema judaico". Note: não é o problema do Netanyahu, o problema dos bombardeios e nem mesmo o problema da ocupação, o problema para a "luta de classes" é JUDAICO.

Um sujeito de bigodinho escroto, que defendia o coletivismo e que a esquerda renega porque pega mal a sua companhia também falava num "problema judaico", que tornava urgente uma "solução final".

Para tal profissionalismo na masturbação mental e fodeção de paciência, só mesmo utilizando proteção e terminando este texto com uma letra da boa e velha banda "Camisa de Vênus": "É tão banal a solução final".

E parece banal mesmo, tanto que a turma está perdendo o pudor. Nesse momento Hitler deve estar ao lado de Marx, Lenin, Stalin, Pol Pot, Mao Tse Tung, Che Guevara e outros tantos sorrindo e brindando no clube de golfe do inferno.

Brincar de antissemita é o novo pretinho básico. Eles voltaram à moda.



0 Comentários