terça-feira, 22 de julho de 2014

O PT, o "jovem de 16 anos" e as entrelinhas

O que vai escrito nas entrelinhas:

"Tenho 16 anos e escrevendo com esses garranchos que não diferenciam nem maiúsculas de minúsculas, com essa caligrafia que parece de uma criança com 10 anos a menos, sou fruto do sistema educacional do PT.

Ao invés de aprender português, história, literatura, matemática, física, química, geografia, inglês, espanhol, música, artes, fico sendo doutrinado por marxistas farofeiros e comunistas de galinheiro, que me dizem para 'formar um círculo' junto com meus colegas e me ensinam que 'ninguém sabe mais do que ninguém', que não existe verdade, que tudo é relativo e que eu preciso 'construir meu conhecimento'.

Ora, se ninguém sabe mais do que ninguém, meu professor sabe o mesmo que eu, então posso passar o tempo ouvindo a filósofa Valesca Popuzuda e tendo aulas sobre como ser bissexual é legal, porque posso me divertir mais.

Minha mãe diz que parece que só vou para a escola aprender porcaria, mas o professor disse que é feio chamar algo de porcaria. MC Doidão e Mozart têm o mesmo valor, ainda que eu não faça idéia de quem seja Mozart, já que na escola só mostram as letras do MC Doidão.

A escola, aliás, não é um lugar para que eu seja ensinado, mas doutrinado. Ali aprendo a odiar o capital, a burguesia, a polícia, meus pais, a família, a religião e o Estado fascista (menos quando o Estado toma conta de tudo pra mim e me livra do esforço e da chateação de pensar e cuidar da minha vida).

Pode ser que esses garranchos que colocaram aí falando por mim sejam obra de marqueteiros do PT tentando se conectar com as pessoas da minha idade, e isso é ainda mais grave, porque até quem seria responsável por mostrar que o governo faz algo que presta, só consegue pensar em mostrar jovens de 16 anos escrevendo como crianças que mal saíram da alfabetização.

Tenho 16 anos, é meu primeiro voto, ainda que o professor de geografia filiado ao PSOL diga que a democracia burguesa não serve pra nada.

E como a professora feminista de história me ensinou a valorizar as mulheres (mesmo as que se dizem "vadias" e andam por aí invadindo Igrejas peladas com os sovacos cabeludos), meu primeiro voto vai para uma mulher que admiro muito, ainda que não saiba direito o porquê, já que a única característica que ela faz questão de repetir é o fato de 'ser mulher'.

Sou fruto do falido sistema educacional brasileiro, essa fábrica de palermas e idiotas úteis, e como bom palerma que sou meu primeiro voto vai pra Dilma."

Haja entrelinha.


(Clique na imagem para ampliá-la)

0 Comentários