domingo, 31 de agosto de 2014

Máquinas a todo vapor

E nem no final de semana o trabalho pode parar. Blogueiros e revistas chapa branca direto no plantão preparando reportagens metendo o pau na Marina e no Aécio e elogiando a Dilma.


Vai trabalhar, vagabundo

O Eden Wiedemann (www.twitter.com/RealEden) compartilhou essa imagem no Twitter e creio ter sido algo de extrema importância, visto que a partir de 1º de janeiro é grande a chance de muitos dos mais de 20 mil parasitas do PT que ganham para fingir que trabalham em cargos comissionados de ministérios, secretarias, agências reguladoras e estatais irem para o olho da rua.

Logo convém começarem a treinar para as entrevistas de emprego ou fazer um pé de meia para abrir um negócio, porque passar o dia na internet difamando adversários do lulopetismo, vagando por universidades, sindicatos e repartições cooptando gente e preenchendo fichas de filiação ou simplesmente puxando o saco do chefe não vai mais servir para manter essa vida mansa sustentada pelo pagador de impostos.

Fica aí uma dica: carrocinha de cachorro-quente da companheirada. Mas nada impede que se candidatem a cargos como cheirador de axila em fábrica de desodorante, arrumador de pino de boliche, empacotador de salsicha, costureiro de lingüiça, testador de supositórios, almofada de lutador de sumô ou até masturbador de porcos. Só não dá para ser provador de ração de cachorro ou inspetor de dados de cassino, o primeiro porque alguém que vota na Dilma não tem a menor condição sequer de escolher uma ração de cachorro e a segunda porque petista só vai aprovar os dados viciados.

Em todo caso, nada será mais vergonhoso do que militar no Partido dos Trabalhadores que não trabalham.


(Clique na imagem para ampliá-la)

Defendendo um macaco dos outros

A gente "do bem" apedrejou a casa da moça que chamou o goleiro do Santos - um coitadinho oprimido com renda anual de seis dígitos - de "macaco".

Além disso ela foi intimada a prestar esclarecimentos na justiça, ainda que o principal ofendido, o macaco, não tenha se pronunciado. E antes que alguém comece a berrar, sim, ser comparado a qualquer ser humano, essa raça de mimimizentos, é ofensa ao macaco.

Mas vamos lá.

Fosse eu advogado da moça, resolveria o caso de maneira bem simples. Começaria a exposição dizendo que sim, ela realmente chamou o cidadão de macaco. E prosseguiria descrevendo como macacos provocam os espectadores no zoológicos - chegando a atirar fezes - e como a natureza provocadora e bagunceira do bicho levou o povo a denominar esse comportamento de "macaquice", independente da cor de quem faz.

O goleiro, fazendo cera e irritando a torcida, fazia macaquices, logo não há conotação racial, mas comportamental no desabafo tomado de emoção dentro de um estádio. Estivesse o goleiro chafurdando na lama de um campo encharcado pela chuva ou então comendo grama, o grito certamente não seria de "macaco", mas "porco" ou "boi".

Mostraria fotos de macacos brancos, ruivos e loiros, para provar que a cor preta não tem nada de exclusiva e que macacos também têm diversidade.

Terminaria minha defesa dizendo que a casa da moça foi apedrejada, ou seja, seres humanos de diversas cores se comportando como macacos atiraram coisas onde a família dela mora, provando de uma vez por todas que se alguém merece reclamar na justiça, esse alguém é o animal macaco, que não merece tal comparação.

Não vejo como o caso não sair arquivado depois dessa.

E quem ficar chateado, que vá plantar batatas (ou comer bananas).



Mudança com muitas aspas

Eleitor brasileiro:
- Cansei de comer merda!
A esquerda:
- Beleza, que tal mudar pra fezes?
Eleitor:
- Oba! É isso! Mudança já, queremos fezes!

Vai trabalhar, vagabundo

O Eden Wiedemann (www.twitter.com/RealEden) compartilhou essa imagem no Twitter e creio ter sido algo de extrema importância, visto que a partir de 1º de janeiro é grande a chance de muitos dos mais de 20 mil parasitas do PT que ganham para fingir que trabalham em cargos comissionados de ministérios, secretarias, agências reguladoras e estatais irem para o olho da rua.

Logo convém começarem a treinar para as entrevistas de emprego ou fazer um pé de meia para abrir um negócio, porque passar o dia na internet difamando adversários do lulopetismo, vagando por universidades, sindicatos e repartições cooptando gente e preenchendo fichas de filiação ou simplesmente puxando o saco do chefe não vai mais servir para manter essa vida mansa sustentada pelo pagador de impostos.

Fica aí uma dica: carrocinha de cachorro-quente da companheirada. Mas nada impede que se candidatem a cargos como cheirador de axila em fábrica de desodorante, arrumador de pino de boliche, empacotador de salsicha, costureiro de lingüiça, testador de supositórios, almofada de lutador de sumô ou até masturbador de porcos. Só não dá para ser provador de ração de cachorro ou inspetor de dados de cassino, o primeiro porque alguém que vota na Dilma não tem a menor condição sequer de escolher uma ração de cachorro e a segunda porque petista só vai aprovar os dados viciados.

Em todo caso, nada será mais vergonhoso do que militar no Partido dos Trabalhadores que não trabalham.



sábado, 30 de agosto de 2014

Organizando a direita

Hoje li duas indagações interessantes que muita gente que ainda não embarcou no navio voador (foi a figura mais doida que pensei para ilustrar quem deseja mudar mas não sabe nem pra onde) da Marina também deve estar se fazendo.

A primeira é por que o Aécio não assume um tom mais combativo e não leva uma pauta social-conservadora para sua campanha. Quem defende isso acredita que se colocando contra o "casamento" gay, liberação das drogas, marxismo cultural, etc., o candidato do PSDB vai aglutinar uma maioria silenciosa e ganhar muitos pontos.

A segunda pensa como a primeira, mas não tem tanta certeza do sucesso disso, já que o pastor Everaldo está assumindo todas essas posições - além de uma agenda liberal no campo econômico - e ao invés de subir, cai nas pesquisas.

Essas, infelizmente, são duas falsas questões, porque partem de premissas equivocadas.

Primeiro, o Aécio não assume tal discurso por pudor, mas porque o PSDB é um partido de esquerda que foi empurrado para a direita pela radicalização do PT. Essa guinada dos tucanos foi uma contingência puramente eleitoral que o PSDB - a contragosto, diga-se de passagem - aceitou em troca de votos. Seus valores continuam sendo basicamente de esquerda.

Depois, o pastor Everaldo não tem sucesso em aumentar suas intenções de voto muito menos pelo que diz e muito mais pelo que é: o candidato de um partido minúsculo, sem tempo de TV, sem palanques regionais fortes, que era da base aliada do PT até há bem pouco tempo e que se diz liberal, mas aparentemente ainda não sabe direito porque.

Você precisa acreditar no que diz para que os outros também acreditem.

Aécio não diz certas coisas simplesmente porque não acredita nelas e o pastor não cativou muitos eleitores porque falta a ele tempo e estrutura, mas também porque o eleitor conservador pode ser tudo, menos burro e já percebeu que aparentemente trata-se de um ex-brizolista e ex-aliado do PT querendo surfar numa onda que não tem preparo pra dropar, só isso.

O eleitorado conservador deve se preocupar com a Câmara, uma boa bancada ali significa muito mais no momento do que a corrida presidencial.

Não se trata aqui de bancar o indie de direita que critiquei outro dia, é claro que todos são bem vindos, mas antes de me pedir votos, de "talk the talk", comece pelo começo e "walk the walk". O PT e a esquerda não construíram sua hegemonia em um dia e nós certamente não a derrotaremos em apenas uma eleição.



sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

Quando o subconsciente fala mais alto: "presidanta".

O cara é "secretário estadual da juventude do PT", com certeza deve conhecer bem o seu gado, quem sou eu para contrariar? Rs.

Pra quem não sabe a "juventude do PT" é um daqueles achados inesquecíveis, o sujeito encontra um unicórnio, chega perto e descobre que não passa de um asno com chifre.



Tá chegando a hora

Falta menos do que faltava, parece que dessa vez o PT vai ser defenestrado do poder. A dúvida é se faremos uma mudança segura ou cairemos em uma aventura de resultado inimaginável.

Mas o principal, o desejável para o bem da democracia, vai acontecer: o chavismo tupiniquim vai sair das urnas menor do que entrou. Se as previsões se confirmarem, o PT será derrotado na eleição para a presidência e nas eleições estaduais de alguns dos maiores estados do Brasil e verá suas bancadas na Câmara e no Senado minguarem.

Fora isso, a saída do governo federal significará a perda da chave do cofre e da caneta que nomeia os parasitas de cargos comissionados. É um batalhão de mais de 20 mil pessoas que conhece por "emprego" somente a tarefa de passar o dia puxando o saco dos chefes, fazendo campanha, preenchendo fichas de filiação e difamando adversários na internet.

Isso não quer dizer que o monstro estará acabado, mas que sua força será bem menor. Ao invés de se dedicar à solapar a democracia, manietar as instituições, censurar a imprensa e avançar no seu chavismo de galinheiro, o PT se dedicará a sabotar o novo governo e tentar preparar seu caminho de volta ao bolso do pagador de impostos.

Mas antes disso haverá uma transição.

O presidente Fernando Henrique foi muito elogiado pela transição que realizou em 2002/2003. Ainda que, como de costume, tenha sido ofendido e difamado pelo PT durante a campanha, colaborou em tudo o que pode, abriu contas e números para a equipe de Lula, passou a consultar o sucessor antes de tomar medidas que afetassem o país a longo prazo e entregou o poder dentro de uma normalidade democrática raramente vista no Brasil.

Você acredita que o PT fará o mesmo caso a governanta da recessão perca, o que parece estar prestes a acontecer?

Imagino, como me disse um seguidor no Twitter, que o PT fará uma retirada ao estilo dos soviéticos quando invadidos pela Alemanha no início da segunda guerra, queimando tudo o que ficava para trás, envenenando poços, matando o gado e deixando uma terra arrasada para quem viesse depois.

Pode ser que eu me engane, mas o PT não costuma decepcionar quem espera o pior da companheirada.

Seja quem for, Aécio (na minha opinião, o melhor) ou Marina (o PT sem açúcar, glúten e lactose), o que veremos de outubro de 2014 até janeiro de 2015 será muito feio.

"Blogs progressistas" e demais sabujos do lulopetismo vão aliviar a mão, já que sem banners de estatais a vida para eles fica dura, mas a militância aparelhada, essa que hoje infesta ministérios, secretarias e estatais, vai estar com aquela raiva que só alguém expulso de um resort para ser enviado à uma carrocinha de cachorro-quente pode sentir.

Se bobear, levam até a cordinha das descargas dos banheiros, pra se enforcar de desgosto, quem sabe.



Leopoldo Lopez e o futuro do Brasil

Desde FEVEREIRO a justiça venezuelana mantém o opositor Leopoldo Lopez preso, adiando sucessivamente as audiências para que ele fique encarcerado sem passar sequer pelo simulacro de julgamento a que tem direito e que será tudo o que vai receber do governo bolivariano.

O presidente Nicolás Maduro e seu gorila na Assembléia Nacional, Diosdado Cabello, já disseram que Leopoldo vai apodrecer na prisão no que depender deles. O problema é que hoje na Venezuela tudo depende deles.

O crime de Leopoldo Lopez? Fazer um discurso que, segundo o chavismo, teve teor "golpista" e "terrorista".

Enquanto isso o governo brasileiro se alia a esse tipo de gente e nossa oposição fica calada, já que não vi ninguém confrontar Dilma Rousseff no debate por essa sua aliança com ditadores, facínoras e proxenetas que exploram seus países e mantém presos de consciência.

Hoje a Venezuela bem poderia contratar algum renomado arquiteto para construir uma nova sede para o seu poder judiciário, um palácio em forma de latrina seria muito adequado.

Se fosse vivo, tenho certeza de que o Niemeyer não se negaria ao trabalho, mas nada impede que outro desenhe tal prédio, que pode ser erguido usando os escombros do que sobrou da democracia do país.

E na batida que anda o Brasil, se continuar assim é pra lá que vamos.



quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A tolerância organizada

"Tomara que você e sua mãe sejam estupradas por negões, sua nariguda, gaúcha de merda, gorda, branquela FDP, prostituta".

E assim a "gente do bem", defensora da tolerância e da diversidade se uniu para punir uma menina que cometeu o terrível crime de chamar um jogador do time adversário de "macaco" num jogo entre Grêmio e Santos.

Vocês sabem, explodam bomba em aeroporto, sequestrem embaixadores, matem pessoas com tiros na cabeça, botem fogo num jornaleiro e sua família, deixem pessoas morrerem de fome, assalte, trafique drogas, e a esquerda e o politicamente correto irão te defender.

Mas jamais chame alguém de "macaco" porque isso te torna algo pior do que o vírus ebola.

Brasileiro então, nossa, não acorda pra nada. Os caras de Brasília passam a mão na bunda e roubam o dinheiro do lanche, mas gritou "macaco" no estádio, ferrou, cai o mundo.

O Grêmio perdia, o goleiro adversário fazia cera e a torcida xingava. Faça as contas: o time levando um vareio, a menina ficou puta, xingou o adversário como sempre foi antes da Era do Mimimi e pronto.

Desde que deram a primeira urinada no anel externo das arquibancadas do velho Maracanã torcedores xingam outros torcedores, o juiz e os jogadores, as vezes até do seu próprio time.

Viado, bicha, filho da puta, cara de cu, cabeção, macaco, etc. etc. sempre fizeram parte do repertório. É super legal? Não. Mulheres, crianças, idosos e até metrossexuais sensíveis podem não gostar e têm direito de não gostar, mas estádios são assim. Quem não curte, vá assistir cricket ou finja que não escutou.

O goleiro do Santos, o tal que foi chamado de "macaco", já ganhou um monte de advogados nas redes sociais, todos prontos a sacar seu cartão de crédito e saldar a dívida histórica contra aquela "branquela de merda".

Como diria Olavo de Carvalho, ora porra. O Aranha é um homem grandinho, ganha um belo salário mensal e pode se defender sozinho. Coitadinho sou eu que toda hora aturo esse papo de "ai, olha, racismo nos estádios". Não somos todos macacos? Então, não encha a minha paciência.

Por isso sugiro a todos os jogadores "afro-descendentes": quando começarem os gritos e sons de macaco vindos das arquibancadas, ao invés de achar que é contigo pense que é com aquele loiro do outro time, o que parece um babuíno. Existe macaco de tudo que é cor, chapa.

Porque senão daqui a pouco uma ida estádio nesse tempo pós-politicamente correto vai obrigar a torcida a criar todo um novo estoque de gritos de guerra, como "Ei, juiz, vai lamber sabão", "Uh, goleiro adversário, você é um bobalhão!" e "Torcida do outro lado, você tá me oprimindo!".

E quem sair desse script, já sabe: merece ser espancado, difamado, perseguido e "estuprado por negões", que ao que parece é o maior "castigo" que um "tolerante" sempre consegue pensar quando quer ofender os outros.



(Clique na imagem para ampliá-la)

Não acredito em pesquisa, nunca fui entrevistado

Sempre que me dizem isso, penso: por favor, campeão, não tem o que dizer, não diga bobagem.

É melhor ficar calado e deixar as pessoas pensarem que você é um sujeito que acompanha política de quatro em quatro anos do que abrir a boca e permitir que as pessoas vejam que de quatro, você só anda mesmo.

Uma pesquisa NACIONAL como fazem Ibope ou Datafolha, entrevista entre 2 a 3 mil pessoas em TODO O PAÍS. Utilizam para isso técnicas variadas que têm por objetivo criar uma amostra o mais fiel possível do total do eleitorado.

Se fosse para fazer uma pesquisa entre TODOS os eleitores, não seria pesquisa, mas uma eleição por semana, o que é economicamente inviável além de ser uma burrice.

É possível manipular dados? Sim. Você concentra entrevistas em redutos onde o candidato X é mais forte ou coloca a ordem das perguntas de forma a favorecer o candidato Y, mas um instituto de pesquisa vive de um bem que não é comprado em supermercado, chamado credibilidade. Por isso, ainda que dêem um tapinha aqui e ali nos números, eles precisam maneirar.

Logo uma pesquisa é, sim, o resultado APROXIMADO do estado momentâneo da corrida. Sua enquete na internet com toda a sua rua, seus amigos do bairro e a turma da faculdade tem o mesmo valor que aquele santinho de um candidato a deputado estadual que você atirou no lixo e nem lembra mais o nome.

A menos que na sua rua, no seu bairro e na sua faculdade estejam a passeio cidadãos de diversas faixas etárias, faixas de renda e diversas regiões do país, não interessa que sua enquete já teve - oh, nossa - DEZ MIL RESPOSTAS, porque não vale de nada.

De mais a mais, realizando em torno de 2 mil entrevistas em TODO O PAÍS, quais as chances de que você seja entrevistado?

Prefiro ser achado pelos números da Mega Sena.


Entreguem o deserto para um bolivariano administrar e em seis meses terão roubado até a areia

O desgoverno chavista de Nicolás Maduro é tão ruim que faria inveja a José Sarney e Dilma Rousseff.

Para se ter uma idéia, pela primeira vez na história a Venezuela, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, estuda IMPORTAR petróleo da Argélia.

Um produtor de petróleo precisar importar petróleo é algo tão absurdo quanto, tipo, o Brasil precisar importar corruptos.

Mas aparentemente nada é impossível para o bolivarianismo, com a exceção de dar certo, é claro.

Link da notícia: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/08/1506999-venezuela-estuda-importar-petroleo-pela-1-vez-na-historia-diz-agencia.shtml


Em nome da segurança, proibamos até a comida

Nooosssa, uma menina no Arizona matou seu instrutor de tiro num acidente. Viram só como armas TÊM QUE SER PROIBIDAS?

É um perigo! Acidentes, mau uso, gente louca andando armada. É por isso que liberamos os veículos automotores, porque nunca acontece nenhum problema, ninguém usa de maneira errada e todos os motoristas (principalmente de táxi e ônibus) dirigem como verdadeiros lordes.

Sou totalmente a favor de proibir armas, somente a polícia e os bandidos devem usá-las, eles são profissionais nisso. E se um deles estiver muito ocupado enquanto o outro está sempre ativo, tente conversar com o marginal. Explique a ele que você está se sentindo oprimido e que violência não leva a nada, no fim ele pode concordar em entregar a arma dele em troca de até 450 reais do programa do desarmamento.

Esse caso no Arizona é a prova definitiva de que é melhor evitar o acesso do cidadão às armas, afinal é muito perigoso.

Ah, pensei aqui que de repente é melhor proibirmos comida também, vai que alguém se engasgue.



Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

A esquerda vive numa realidade paralela habitada por lunáticos e psicopatas. O MST vive numa realidade paralela dentro da esquerda, onde os lunáticos e psicopatas são considerados conservadores demais.

Só pode, porque os promotores do bacanal agrário consideram que invadir uma propriedade e destruir o que há nela é a mesma coisa que o dono da propriedade dispor dela como bem entender.

Em 2009 o MST invadiu uma fazenda e destruiu centenas de pés de laranja. A notícia correu o país e todas as pessoas normais que tomaram conhecimento condenaram tal absurdo.

Em 2014 agricultores derrubaram não centenas, mas milhões de pés de árvores em áreas cultivadas. Uns para mudar a cultura feita no local, outros por conta de pragas, mas o MST considerou que isso é "muito pior" do que o que eles fizeram, afinal os agricultores derrubaram muito mais árvores do que os sem terra.

A parte que o MST "esquece" é que eles fizeram isso na terra DELES e não em uma área invadido e ocupada ilegalmente.

Por essa lógica se o seu vizinho resolver trocar a grama do jardim por pedra São Tomé, tudo bem se você invadir a casa dele e roubar a TV.

Coisa de doido? Lembre-se: é uma realidade paralela dentro de outra.


(Clique na imagem para ampliá-la)

Doutrina lulopetista: prefiro que você perca do que eu ganhe

Essa turma do PT não é exatamente reconhecida pelo refinamento cultural e nem por um pensamento minimamente coerente, mas em certos aspectos conseguem piorar o que já é muito precário.

Vejamos uma das frases que eles adoram repetir:

- A elite pira porque perdeu privilégios. E pobre anda de avião.

É um raciocínio curioso, primeiro porque trata política como questão apenas de ganhar ou perder (talvez por isso o PT ache que tudo é permitido, menos perder eleições), depois porque enquadra tudo na lógica da raiva e do prejuízo.

Por esse pensamento baldio, um "rico" não se irrita porque os aeroportos são piores do que banheiros de posto de gasolina ou porque o trânsito é ruim, mas porque a empregada viaja de avião e pobre compra carro.

Por sua vez, prossegue o teorema dos comedores de salada de feno com capim, bom não é o filho do pobre cursar o ensino superior ou a empregada doméstica ganhar certos direitos, mas é a "elite" perdendo vaga em universidade e a "madame tendo que lavar louça".

Vê como é algo que somente uma cabeça pervertida pode pensar? Lula chegou a dizer que as "bacanas" ficam com raiva porque a faxineira pode comprar o mesmo perfume.

Pagar menos impostos, o Estado se meter menos na vida pessoal e econômica das pessoas, os serviços públicos valerem tanto quanto custam, tudo isso vira simplesmente "reclamação da elite que até hoje gostaria de ter escravos". Não é sério, mas mobiliza um exército de boçais que serve bem aos propósitos da verdadeira elite insensível que existe hoje no país, que são petistas que não trabalham e sugam tudo o que podem.

Desculpe, Lula, o problema não é o perfume da madame, mas o seu chorume e o de toda a sua turma.



Gaviões da Raça Jovem Militante

- Rá! Seu partido perdeu 3 eleições seguidas,12 anos sem título! Iéié!

Vê como é ridículo gente que se comporta como torcedor em política? 

O problema é que no Brasil atualmente as pessoas se dividem em três grupos: uma minoria de nerds que adora política, fala disso o dia inteiro e realmente se diverte a ponto de assistir debates comendo pipoca como se fosse um filme, um grupo grande que confunde interesse por política com futebol e se comporta como se estivesse no Fifa Fun Fest, ou pior, numa torcida organizada e o último grupo, a grande maioria, que se lixa para política e vive como se as coisas boas e ruins que acontecem ao país fossem obra do oculto ou algo parecido.

O primeiro grupo curte páginas de política em redes sociais, usa camisetas com frases do Mises ou Reagan, conhece cada pedaço de cada quadrante do Diagrama de Nolan e deixa o resto do mundo à sua volta entediado falando sempre de economia, ideologia, estratégias, etc. São quase como fãs de Game of Thrones, só que se preocupam com algo que realmente existe ao invés de dragões e zumbis on the rocks.

O terceiro grupo - pulei o segundo de propósito porque são a razão desse texto - simplesmente não consegue lembrar nem em quem votou para síndico do seu condomínio. Geralmente é contra "tudo isso que está aí" e sempre que vai reclamar de algo, usa um imaginário "eles" para colocar a culpa.

- Eles roubam tudo nesse país.

- A saúde, a educação e o transporte estão um caos porque eles não fazem nada.

E por aí vai.

O segundo grupo, o dos barrabravas políticos - note que não falo de gente que VIVE de política, como assessores, ocupantes de cargos comissionados, blogueiros a soldo, etc - se comporta como se estivesse numa arquibancada.

- Aécim caiu dois pontos na pesquisa, chuuuupa!

- É Dilma de novo! Kkkkkkkk.

Não conhecem nem debatem propostas, não estão abertos a qualquer tipo de diálogo (talvez nem saibam o que é isso), não se preocupam realmente com o que é bom ou ruim para si e para o país, são incapazes de articular qualquer pensamento ainda que de forma rudimentar, querem apenas que seu "time" vença e pronto.

Confundem militância boçal com engajamento político. Seriam capazes, sei lá, de se interessar por pintura, virarem fãs do Monet, visitarem o Louvre e, passando em frente da Monalisa, darem um zurro:

- CHUPA LEOZIM DÁ VINTE, AQUI É MONET! Kkkkkk.

Isso não é política, isso é micareta, briga de galera funk, arrastão na praia, mas não é política. Só que, infelizmente, no Brasil é exatamente isso que está virando a política.

Pobre Brasil, que caminha sempre de uma boçalidade à outra sem fazer escala.

P.S.: E sabem do pior? Talvez pelo passado de petista, talvez pelo seu caráter de sacerdotisa de culto tipo Jim Jones, os eleitores da Marina Silva já estão ficando iguaizinhos aos do PT.

Bastou subir uns pontos na pesquisa e surgiu o MAV - Marineiros em Ambientes Virtuais, sempre prontos a atacar qualquer um que faça qualquer tipo de crítica ao seu Lula de saias.

Tá puxado.



quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O petismo verde

Marina Silva periga ficar conhecida como a política-mesa-branca. Começou a carreira com o cadáver do Chico Mendes como cabo eleitoral, depois foram as ilusões de petistas arrependidos com a morte do "partido da ética" e o surgimento do partido do mensalão, agora é Eduardo Campos o seu palanque necrológico.

Se era para homenagear, as homenagens estão feitas. Continuar citando o "Eduardo" chega perto da linha tênue entre homenagem e exploração.

Mas adiante.

Resolvi falar dela agora porque, pelo visto, a vice-viúva já saiu do luto fechado e está em plena campanha, logo me desobriga a manter o silêncio respeitoso.

Marina diz que pratica uma tal "nova política", ainda que ela mesma esteja na política desde 1985. Seu mote é "inovar", mas cita como possíveis colaboradores nessa tarefa Pedro Simon (32 anos de Senado), Eduardo Suplicy (24 anos de Senado) e José Serra, alguém que muito admiro, tanto que votei nele em 2010, ao contrário de Marina, que negou seu apoio no segundo turno.

Seu discurso belo e vazio diz basicamente que é contra "tudo isso que está aí" e que repudia "políticos profissionais e tradicionais". Por isso o seu eleitor-médio a considera uma inovação.

Diz que é a superação da dicotomia PSDB-PT, para logo em seguida afirmar que pretende governar junto com PT e PSDB.

Mas vejamos com muita calma: Marina era do PT, foi ministra de Lula até bem depois do mensalão, saiu quando percebeu que Dilma, por ser poste, é que seria ungida a sucessora e não ela, foi para o PV, teve 19 milhões de votos para presidente, negou-se a apoiar José Serra no segundo turno ajudando assim Dilma Rousseff (ou alguém duvida que um apoio explícito seu ajudaria o Serra?), por não conseguir se impor dentro do PV saiu do partido, recusou convites de vários partidos pequenos para trabalhar ali preferindo criar um SEU, não teve competência para juntar assinaturas (Pros, Solidariedade e Novo conseguiram), entrou no PSB dizendo claramente que faria o partido de hospedeiro até sua Rede sair do papel, bateu de frente com os socialistas dinamitando alianças que não atendiam seus interesses em vários estados, declarou-se ajudada pela "Providência" quando um acidente matou seu colega de chapa, faz uma campanha sem "se misturar" com o que não é "limpo" o suficiente e seus militantes tratam a "seringueira pobre que venceu na vida e vai mudar o país" como alguém intocável, acima de críticas e que "sabe o que fazer" quase que por inspiração divina.

Parece muito o partido de um metalúrgico pobre que venceu na vida e iria mudar o país. O mesmo que se recusou a apoiar Tancredo, a assinar a nova Constituição, a fazer parte da aliança que ajudou Itamar Franco a tirar o país de uma das piores crises políticas da sua história, a apoiar o Real, a lei de responsabilidade fiscal, as metas de inflação, o câmbio flutuante, as privatizações que modernizaram setores do país e que nunca "se misturava com ninguém" porque era um partido "acima da política tradicional".

Os elementos estão todos aí: o egoísmo, o obscurantismo, a militância fanática, o messianismo, um marido exercia cargo no governo do PT até AGOSTO de 2014, as relações estranhas com empresários.

Fora a ausência de uma base parlamentar que ainda é necessária no Brasil. Caso seja eleita, seus milhões de votos em seis meses não valerão nada sem apoio no Congresso. Sabem pra onde ela vai correr? Isso mesmo, para o bom (pra eles) e velho PMDB e para o PT, que a essa altura vai até tomar santo daime para achar alguma convergência.

Marina Silva é o petismo sem glúten e lactose, mas continua sendo petismo.

Por isso é que faço aqui essa declaração de não-voto. Nem tudo que não é literalmente o PT, deixa efetivamente de ser o PT.



O primeiro debate presidencial

E assim eu assisti e comentei o debate com o pessoal do Twitter. Divirtam-se, já que não adianta se irritar mesmo. 

- Entrevistas na entrada:Luciana Genro 40 segs., Marina 1 min., Aécio 1 min., Dilma falou 5 minutos e não descobriu se é debate ou entrevista.

- Qual é a solução para o problema da criminalidade? PSOL: a esquerda ser coerente e contra o capital. PV: liberar as drogas. Tá puxado.

- Marina, Luciana Genro e Eduardo Jorge: todos ex-PT. Dilma: PT. Sobra quem mesmo que não é filhote do lulopetismo? Desses quantos têm chance?

- Gente, é a Dilma que tá ali ou um boneco de ventríloquo controlado pelo Brasil 247/Conversa Afiada e o resto da tropa loroteira da internet?

- Acabamos de aprender com a Dilma que gastar dinheiro com um porto em Cuba é bom porque empresas HOLANDESAS vão operá-los. (Risos).

- Eduardo Jorge segue com seu trabalho para colocar o PV à esquerda do PCO. E assim o PV(Partido Vermelho) não vai precisar nem mudar a sigla.

- Marina disse que vai praticar a "nova política" com ajuda de Pedro Simon (85 anos, 32 de Senado) e Eduardo Suplicy (73 anos, 24 de Senado).

- Uma grande colaboradora da Marina é banqueira e se chama "Neca", já viram onde o povo vai continuar levando, né?

- Marina: governarei com pequenos seringueiros como o dono da Natura e pessoas comuns do povo como a dona do Itaú. (Risos).

- Não tem sala, não tem professor, não tem material, não tem merenda, mas segundo o PSOL basta ter kit gay que vão brotar Einsteins no Brasil.

- Porra, segundo PSOL e PV kit gay nas escolas, maconha e aborto liberados e o Brasil vira a Escandinávia. E nós perdendo tempo discutindo.

- A Dilma é incapaz sequer dizer que Cuba é uma ditadura. Eu passaria o debate todo "É ditadura? É ditadura? É ditadura? É?É?É? Fala, porra!".

- PQP!Alguém vá na casa do FHC,mande o sujeito tirar o pijama e aparecer nesse debate?Porque a Dilma só fala dele, melhor chamar logo o homem.

- A Dilma não sabe qual dos 40 ministérios poderia fechar. Ela pensando em bater 50 e esse pessoal vindo de miserinha pra cima dela. Aff.

- Solução pra Dilma nem precisar mais fazer campanha:135.804.433 de ministérios,um pra cada eleitor e ela vence sempre por unanimidade.Pronto.

- Notem como quando os jornalistas se dirigem à Luciana Genro,Eduardo Jorge ou Levy Fidelix e dizem "caso seja eleito", eles dão um risinho.

- Candidatos do PSOL sempre mostrando ao cidadão-médio como é estudar numa federal e ouvir essa conversa mole de Che Guevara de apartamento.

- Sério, será que não tem alguém que avise a esse pessoal do PSOL que isso é debate presidencial e não de chapa de DCE?

- "Brasília macrocéfala"? "O pastor Everaldo roubou meu slogan"? O Eduardo Jorge é mesmo a favor da liberação da maconha, né?

- Luciana Genro pergunta, Eduardo Jorge responde. Quem chega de repente e vê isso acha que é um debate na Albânia.

- Se a Dilma pudesse todas as respostas dela seriam "não sei, mas vou levar sua pergunta pro Lula e ele te responde amanhã no programa de TV".

- Finalmente o Aécio traz a Petrobras para o debate. Nessa hora Dilma sente vontade de se esconder nas profundezas do pré-sal.

- Segundo a Dilma a Petrobras vai bem e petróleo jorra até embaixo de tatuí. Abafa investigação e aumenta a gasolina pra quê?

- Você acha que a Dilma está falando da Coca-Cola, da Apple, da Samsung, mas nada, é da combalida Petrobras, que ela mesma quebrou.

- O Eduardo Jorge é o tio de churrasco do debate. Daqui a pouco entra alguém ali e leva pra casa dizendo "já chega por hoje, vamos embora".

- Prometo que assim que eu abstrair a voz de gralha vou prestar atenção no que a Marina tem pra dizer.

- Confundir "perda" com "perca" deveria fazer voltar duas casas e esperar uma rodada, hein, dona Marina Silva.

- "(...) que a gente não perda essa conquista", e lá vem esse "perda" de novo. Acho que a Marina vai fazer outra reforma ortográfica.

- "Essa conversa de unir todo mundo..." Luciana Genro já deixando claro que o negócio dela é guerra, unir é o cacete, bora matar geral.

- Daqui a pouco a Dilma solta um "gente, esse papo tá muito sério, vamos descontrair, Marina, qual é o seu sabor de sorvete favorito?".

- Segundo Dilma a energia hidroelétrica é muito importante, mas também a eólica e a termoelétrica, por isso ela negligencia todas por igual.

- Tudo o que dizem que precisa ser feito, a Dilma diz que já fez. Porra, quer se reeleger então pra quê, cacete? Vai pra casa fazer macarrão.

- Pastor Everaldo "hoje o Estado coloca a mão onde não devia". Uma meia dúzia de pagadores de impostos na platéia conferiram a própria bunda.

- Marina é contra o Estado mínimo, ou seja, ainda que ela aparente só comer brócolis, seu governo vai frequentar rodízio de pizza.

- Dilma já deve ter mandado pra dentro a segunda cartela de Rivotril, mas ainda assim tá brabo de se segurar e não avançar em ninguém.

- Aécio chamou Dilma de chavista e censora, pra terminar as verdades só faltou dizer "e esse seu topete é muito escroto".

- Mais perguntas nessa linha "Petrobras" e "chavismo" e a Dilma solta um berro "se não parar essa porra já eu mando desligar a luz do país".

- Estou começando a achar que a Dilma presidente é que é um fake da Dilma Bolada e não o contrário.

- "A saúde é uma questão urgente, por isso é justificável que recorramos até mesmo à ESCRAVIDÃO para resolvê-la". ROSNEFF, Dilma.

- Assessores da Dilma vão levar esporro depois do debate.Não que tenham culpa de algo, mas ela tem que descontar em alguém e não será no Lula.

- Se a Luciana Genro não começar a chamar a Dilma de "tia" e fazer comentários como "ih, moral" ou "eu não deixava", ninguém vai lembrar dela.

- Eduardo Jorge não precisa de 2 minutos para responder nada, ele precisa é que liberem logo a porra da maconha.

- "A guerra às drogas é uma guerra aos pobres" - Luciana Genro, já pensando em incluir verba pra dois baseados por dia no Bolsa Família.

- Funk da Luciana Genro: matemática, física, história e português é coisa do passado, a moda agora é sexo na aula e no recreio um baseado.

- Se organizo um debate coloco nas regras a proibição dos termos "maconha", "aborto", "laico" e "FHC" e fico observando os cabeçotes fundindo.

- Não sei porque o PSOL fala tanto contra o bullying se é exatamente entre quem sofreu bullying que eles conseguem arrumar militantes.

- Melhor do que o PT? Talvez 1%, mas imagina passar quatro anos ouvindo essa voz de gralha da Marina fazendo discurso.

- "Fui eleita para preservar o legado do mandato do Lula e preparar o Brasil para o futuro, ou seja, mais mandato do Lula". ROSNEFF, Dilma.

- Luciana Genro era aquela mina que pedia pra turma ficar 5 min. depois do último tempo pra dar recado e todo mundo saía dizendo "não fode".

- "Idéias de John Lennon, Tolstói...", mais um pouco e o Eduardo Jorge completava "e Bob Marley, Peter Tosh, Bunny Wailer, Ganja Man...".

- Acabou o debate, nesse momento a Dilma está batendo com um tamanco na cabeça de algum assessor pra aliviar a tensão.

- O Eduardo Jorge agora deve estar lá vagando pelo estúdio perguntando pra todo mundo onde vai ser o after hours.

- O Aécio foi o adulto na sala,só faltou pegar o chinelo e mandar Dilma não mentir, Marina comer, Luciana não chorar e o Loki ir fumar lá fora

Link do meu Twitter: https://twitter.com/mvsmotta



terça-feira, 26 de agosto de 2014

Anselmo, sempre ele, o todo-todo

Confesso que leio a coluna do Anselmo Góis quase todo dia. Confesso também que geralmente preciso tomar um sal de fruta depois.

Todo os elementos aziagos do "jornalismo progressista" estão ali. Babação de ovo do Chico Buarque, notinhas do Jean Wyllys, politicamente correto, coitadismo, direitos dos manos, padrão cultural "Esquenta" da Regina Casé, you name it. Tudo está lá.

E como não poderia faltar, a defesa de cotas raciais, essa malandragenzinha que usa a cor da pele para passar os outros para a frente da fila.

Mas, claro, eles sempre se superam. Geralmente quem ostenta esses dicursos jamais me decepciona, porque quando espero o pior, eles fazem o melhor do pior.

A crítica do Anselmo agora foi direcionada aos "pais da Zona Sul" que colocam seus filhos para fazer provas de acesso às escolas técnicas federais para assim terem direito a cotas do ensino público no vestibular de medicina e outras carreiras concorridas.

Segundo o esquerda caviar, não só "parece injusto", como é "injusto".

Pensemos: os "pais da Zona Sul" sustentam TODO o sistema educacional com seus impostos, além disso precisam pagar "escolas caras" porque o dinheiro que o Estado toma deles não é usado para que todo o ensino público seja minimamente decente, seus filhos prestam CONCURSO PÚBLICO para um escola técnica e CASO APROVADOS terão à disposição um ensino de qualidade e vantagens determinadas por lei para todos em situação semelhante na hora do acesso à universidade.

Pronto, essa é a história. Não há vagas compradas, escravos levando brancos ricos em liteiras para as aulas de química, clubes de golfe exclusivos, nada.

Mas o Anselmo acha ruim. Para ele, "ricos" da "Zona Sul" só têm direito de PAGAR para sustentar a paquidérmica máquina estatal. Vagas em universidades públicas para eles só as que SOBRAREM e mesmo assim caso obtenham o triplo ou o quádruplo da pontuação de um cotista, que agora deverá morar no "bairro certo".

Cria-se dessa forma a cota geográfica. Branco, de classe média, morador das regiões tais e tais não poderá cursar uma escola técnica federal e nem entrar na universidade pelas mesmas regras dos demais.

Sabe como é, a dívida histórica está aí e os seus juros são piores que o rotativo do cartão. Além do mais, essa coxinhada tem é que pagar e calar a boca, afinal, são todos da elite escravagista mesmo, querem ser médicos pra quê?

Pra abrir clínica de cirurgia plástica na Barra? Aff.



Falar em venezuelização é coisa de coxinha

Ah, que venezuelização o que, isso é paranóia de coxinha. 

Já vi usarem como argumento o tempo que o Chávez levou para dominar tudo e o tempo que o PT está no poder, como se países diferentes não tivessem ritmos diferentes.

Já vi diferenciarem o que ocorre nos dois países usando para isso o tamanho da economia, do território, só faltaram dizer que para haver bolivarianismo aqui precisaria que a bandeira tivesse as mesmas cores da bandeira da Venezuela.

Fingem ignorar particularidades de cada país. Só fingem, porque até as hordas de cubanos já começaram a chegar.

Esquecem que o receituário básico está todo aí. Duvida de mim? Pesquise em sites do submundo petista e veja como eles já estão defendendo abertamente um plebiscito nos mesmos moldes dos venezuelanos para mudar a Constituição e enxertar ali tudo que é trapizomba que sempre sonharam.

Esse decreto da Dilma entregando o controle do orçamento do país a "conselhos populares" é outro item da receita. O STF sendo transformado em escritório de advocacia do PT é mais um. Uma estatal petrolífera levada à bancarrota para sustentar os gastos cada vez maiores do governo é outro.

Até a virulência da "militância" e de noticiosos sustentados por estatais é a mesma, arrumaram até um apelidinho cretino - "coxinha" - para fazer par com o "esquálidos" que os chavistas usam para se referir aos opositores.

O circo está todo armado, mas vai ter palerma acreditando só quando o leão fugir da jaula e comer sua cabeça. Azar do leão, porque cabeça oca não enche barriga.


(Clique na imagem para ampliá-la)

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Dia do soldado

"Venho das praias sedosas,
Das montanhas alterosas,
Dos pampas, do seringal,
Das margens crespas dos rios,
Dos verdes mares bravios
Da minha terra natal.

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse "V" que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasil."

Ao som dessa canção, entre 1943 e 1945, vinte e sete mil e quinhentos jovens brasileiros se despediram de seu país e rumaram pelo Atlântico até a Europa, onde o frio, o desconhecido e um inimigo altamente treinado os esperava.

O equipamento não era adequado, as condições não eram favoráveis, as chances não estavam a seu favor, mas ainda assim eles foram em frente, lutaram, impressionaram seus aliados e seus inimigos pela bravura, conquistaram amplas extensões de território, hastearam a bandeira brasileira em um continente distante e 443 deles deixaram sua vida por lá.

Esta história é apenas uma dentre tantas vividas por este indivíduo tão necessário, importante, corajoso, destemido, heróico quanto esquecido que é o soldado brasileiro, célula do Exército Brasileiro, que ao mesmo tempo existe por causa dele e o faz existir através de si.

Lembrado constantemente por seus detratores apenas por golpes de Estado e repressões que nada mais eram do que disputa pelo monopólio do controle do país à direita ou à esquerda, o Exército e os seus soldados são muito, muito mais do que isso.

De 1821 quando na Guerra da Independência chegando até a Segunda Guerra Mundial, estes homens e mulheres sempre deram ao país muito mais do que o país lhes deu.

Hoje faltam condições, provisões, equipamentos, verba, enfim, falta quase tudo, mas ainda assim quando um desastre natural ocorre, quando a segurança pública desanda, quando uma estrada precisa ser aberta, uma ponte emergencial ser construída, medicamentos precisam chegar aos locais mais distantes, alguma população carente precisa de cuidados, quando as instituições estão em perigo, quando a Amazônia precisa de quem monte sua guarda, enfim, quando a pátria chama, são eles que atendem, com coragem, honestidade, vibração, sem pedir nada em troca, nem mesmo reconhecimento.

Mas hoje, 25 de Agosto de 2014, dia do soldado, presto a eles a homenagem que não pedem, mas que merecem.

A cada um de vocês, obrigado.



Gregório, se é por falta de adeus...

"É constrangedor ver todos os principais candidatos se estapeando pelo eleitorado conservador. (...) Na minha opinião, tem pastor demais e maconha de menos. A maioria dos candidatos não fede nem cheira -a não ser um deles, que cheira. (...) Ateus, maconheiros, vagabundas, pederastas, sapatões e travestis do mundo: uni-vos. Porque o lado de lá tá bem juntinho."

Gregório Duvivier.

Era pra dar dó, mas só dá vontade de rir. O Gregório é um dos porta-vozes do esquerdismo-sujinho-porra-louca, aquele que enxerga uma superioridade antropológica em favela, lixão, vala negra, zona de baixo meretrício, consumo conspícuo de drogas. Acreditam que é ali que se encontra a verdadeira humanidade e que só gente "do bem" percebe tanta beleza.

O "humorista" (aspas mais do que necessárias), filho da Olivia Byington e sobrinho da Bianca Byington - fama e "talento" no Brasil são capitanias hereditárias - gosta de atacar os "conservadores" em diversos flancos. Seja debochando da religião dos outros, defendendo os militantes gays (bem diferente de gays que não transformam sexo em bandeira), as "vadias", a maconha, o escambau.

Onde houver um coxinha, haverá o Gregório do outro lado discordando.

Se hay coxinha, soy contra!

Mas nota-se que ele anda amuado. Seu queridinho Marcelo Freixo é tão bom de voto que preferiu garantir mais quatro anos recebendo salário e verba de gabinete na Alerj para ajudar "ONGs" e "Institutos de Direitos Humanos" (advocacia de black blocs, diriam alguns) do que se arriscar a levar outra surra como foi na eleição para a prefeitura do Rio.

O PSOL, seu partido do coração e sabe-se lá mais quais partes do corpo, é cada vez mais empurrado para guetos como DCEs, "marchas da maconha", "coletivos" e outras nugacidades de esquerda.

E pra piorar a direita olavista-conservadora-coxinha-zueira está por toda parte. Imagino o desencanto do Gregório depois que termina uma gravação do Porta dos Fundos, pega seu cheque gordo para bancar a vida cara do Leblon, liga o MacBook, acessa a internet para ver as novidades e se depara com o Flávio Morgenstern, o Alexandre Borges, a turma do Implicante, o Bolsonaro Zuero, as Garotas Direitas, isso para não mencionar a turma da Veja e a expectativa de grandes votações de candidatos conservadores.

O cara deve pensar "cadê aquele Brasil do Chico, da turma de bandeira do PT bebendo choppinho no Jobi, cadê aquele Rio de Janeiro que parecia uma gigantesca casinha de DCE da PUC?".

Estão todos no mesmo lugar, Gregório, só que não falam mais sozinhos como sempre falaram. Agora o "outro lado" cansou de só ouvir pregação de Che Guevara de apartamento e maconheiro de playground e resolveu falar também.

E sinceramente, como essa turminha de esquerda é fraca. Bastou meia dúzia de direitistas, algumas redes sociais e umas ironias bem colocadas para começar o mimimi. Se acostumaram a décadas dominando todo o debate e agora estão assustados, indignados, revoltados, porque sabem que o discurso de esquerda só prospera quando é discurso único.

Se colocar um que seja do outro lado a coisa complica.

No fundo o dilema da turma do Gregório é o seguinte: eles sempre disseram que adoram a democracia, que defendem a liberdade e os direitos de todo mundo, mas não contavam com esse "probleminha" da democracia, da liberdade e dos direitos individuais: pode ser que tenha gente discordando de você do "outro lado".

Mas não se deprima, você sempre pode deixar a política pra lá e falar de futebol, artes, cinema e até humor, mesmo que sem graça.

A porta dos fundos é a serventia da casa.

Link do desabafo do Gregório:http://www1.folha.uol.com.br/colunas/gregorioduvivier/2014/08/1505356-o-pais-e-o-armario.shtml



Brasil-Venezuela, bem mais perto do que você imagina

Há um tempo a oposição venezuelana alertava a população que o governo queria implantar um sistema de racionamento cubano.

Os chavistas diziam que era paranóia de burguês, intriga de "esquálidos" (a versão deles do "coxinha") querendo tomar o poder para "acabar com as conquistas do povo".

Esse mês o governo Maduro finalmente resolveu fazer um cadastro biométrico para "limitar compras", ou seja, um racionamento que eles se recusam a chamar pelo nome.

Antes disso a oposição avisava que o chavismo queria censurar a imprensa. Novamente coisa de "esquálido", eles apenas iriam "democratizá-la".

Hoje somente aliados do regime possuem veículos de comunicação e falta até papel jornal para os poucos periódicos regionais que não são defensores do governo.

Ainda mais antes disso a oposição avisava que reeleições sucessivas sem limite eram um perigo para a democracia. O chavismo organizou um plebiscito sobre o tema e perdeu. Ignorou novamente até conseguir fazer outro em que venceu.

Aí o resultado valeu e o que vemos hoje é um aparelhamento total e uma quase impossibilidade de remover o caudilho por vias diretas, já que a suprema corte, a justiça eleitoral e o Congresso estão completamente dominados.

Nota um padrão? Vê alguma semelhança com um certo país onde os poucos opositores alertam para o aparelhamento das instituições, a transformação do Congresso em balcão, o "controle social da mídia", as comissões da verdade, as milícias na internet e nas ruas, um plebiscito sobre o desarmamento que foi solenemente ignorado, os planos de permanecer décadas no poder, as ofensas aos eleitores adversários, a política do ódio?

Vote no PT e participe do programa "Conheça a Venezuela sem precisar sair do Brasil".

E jamais diga que não foi avisado.



Dá o dedinho aqui

Veja que beleza a tecnologia venezuelana em ação. Quer farinha e papel higiênico? Primeiro dá o dedinho aqui. 

O cara vai ao supermercado, coloca no carrinho dois cachos de banana, duas garrafas de refrigerante, cinco latas de leite condensado, cinco pacotes de biscoito, quatro rolos de papel higiênico, um saco de feijão, um saco de arroz e um pacote de macarrão.

Empurra o carrinho até o caixa, despeja a mercadoria na registradora, dá o dedinho, o leitor de digitais o reconhece e o computador do governo solta um apito sinistro, fazendo a caixa perguntar:

- O senhor está com diarréia?

- Como é que é?

- O senhor, está com diarréia?

- Mas que negócio é esse?

- É que sua cota de papel higiênico já estourou, agora só mês que vem.

- Hein? Mas tem papel no mercado, eu tenho dinheiro, pretendo pagar, o que é isso?

- É o sistema de compras justas do governo, senhor. O senhor só pode comprar uma quantidade determinada de produtos por mês para que todo o coletivo possa comprar também e não haja escassez.

- Mas escassez já há, afinal quero comprar e você não deixa.

- Eu não, o Plano Governamental da Suprema Felicidade e Abastecimento.

- Que seja, isso é um absurdo.

- Absurdo é o senhor fazer número 2 desse jeito. Está aqui: semana retrasada dois rolos, semana passada três rolos, essa semana já quer mais quatro, deve ser esse monte de leite condensado e biscoitos que o senhor come.

- E o que é que você tem a ver com isso? Como o que quiser.

- Claro, o problema não é meu, é seu, mas o negócio é que esse monte de papel aí não vai poder.

- E o que eu faço? Limpo com jornal?

- Jornal não, o governo está controlando o papel jornal também.

- Faz o seguinte, eu tiro algumas mercadorias e levo só o papel.

- Mas as outras estão dentro no limite máximo e não é possível trocar, caso contrário outra pessoa pode ficar sem. E não adianta levar feijão se a pessoa quer papel higiênico.

- Eu que o diga.

- Vamos fazer o seguinte, esse mês é festa de aniversário dos meus filhos e preciso fazer tantos doces que já estourei minha cota de leite condensado, o senhor me vende suas latinhas que eu vendo dois rolos de papel, tudo bem?

Nisso um sujeito que estava na fila ouvindo a conversa saca um apito do bolso, começa a apitar e berrar:

- Contra-revolucionários! Agiotas de mercado negro! Criminosos! Sou fiscal do Maduro e não permitirei isso! Polícia!

E o consumidor e a caixa do supermercado são levados dali algemados para averiguações.

Nada como viver num país onde NÃO existe racionamento, apenas um "registro biométrico".




domingo, 24 de agosto de 2014

Graça Foster balança?

A Graça Foster que se prepare, porque a hora que os petralhas sentirem cheiro de óleo queimado, atiram ela na fogueira sem dó e ainda dizem que não sabiam de nada.

Depois de passar os bens para o nome de parentes supostamente com a intenção de fugir de um bloqueio pelo TCU - que investiga a compra da refinaria de Pasadena que deu prejuízo bilionário à Petrobras - a presidente da estatal ficou cada vez mais com jeito de culpada (ou enrolada).

E na hora em que o PT jogar pro alto (e se precisar eles jogam) ela vai ter que se contentar em fazer cover dos Osbournes mesmo.


Permitam a entrada de todos os animais em qualquer lugar e proíbam apenas alguns donos

Tirando alguns locais muito específicos, acho de muito mau gosto estabelecimentos que colocam placas com a imagem de animais e um símbolo de "proibido" na entrada.

Claro que é direito do dono do local franquear ou não a entrada do que e dequem ele bem entender, mas conta pontos para qualquer lugar saber que a pessoa E seu animal de estimação são bem vindos ali.

Se o cara não permite animais, gente de boné, brancos, pretos, gays, calças boca de sino, pochete, fãs de Star Wars ou torcedores do Goytacaz, direito dele e problema dele também, porque vai perder o dinheiro que toda essa gente (mais os 12 torcedores do Goytacaz) poderiam gastar ali.

Discriminação, dependendo em relação a quê ou a quem (sou a favor de discriminar neonazistas, comunistas e fãs do Justin Bieber, por exemplo, mas isso é comigo), não deveria ser crime, já que burrice não é artigo do código penal.

Não foi preciso nenhuma lei ou berraria de ninguém, o shopping fez as contas e concluiu que seria bom para o seu bolso. Aliás, p
or mim seria permitida a entrada de animais em qualquer lugar, alguns donos é que eu deixaria barrados.

P.S.: Vamos ampliar isso aí, nem todo mundo é dog people.



Reeleja-se e depois suma

Muitos reclamam da reeleição, dizem que faz mal ao país porque o governante passa todo o primeiro mandato apenas se preocupando em garantir um segundo, e passa o segundo meio desinteressado- já que terá que sair - ou então "fazendo o diabo" para eleger seu sucessor.

Aécio Neves defende um mandato de cinco anos sem direito a reeleição. Marina Silva já disse que, caso eleita, não concorrerá a um segundo mandato.

Todo mundo aí tem razão e não tem, na minha modesta opinião. E já explico: nem o fim da reeleição, nem um mandato maior sem reeleição sozinhos seriam a solução definitiva.

Creio que o imperioso, urgente, necessário para nossa democracia ser mais sadia é o impedimento de qualquer cidadão que já exerceu a presidência de voltar a exercê-la uma vez terminado seu período.

Nos Estados Unidos o presidente pode se reeleger, mas uma vez conseguido o segundo mandato saberá que só o que lhe resta é deixar um legado para a história, pois não poderá mais se candidatar.

Sua preocupação então deixa de ser a política paroquiana e passa a ser a posteridade. Faz o que é preciso para que somente a história o julgue.

Seu partido, por sua vez, inicia a procura por novas lideranças, pois sabe que não pode mais contar com aquele presidente para futuras candidaturas.

Isso oxigena a política, força partidos e sociedade a se renovarem e buscarem talentos e, acima de tudo, despersonaliza o exercício do poder, que não será de pais da pátria, carismáticos de ocasião e caudilhos populistas.

E caso algum apareça, todos saberão que tem prazo de validade, pois a lei o proíbe de sonhar em ser um presidente-monarca.

Sua influência é limitada, pois ele, pessoalmente, não é mais expectativa de poder, não existiu nos Estados Unidos um "volta Reagan" ou "volta Clinton".

Quantos postes como Dilma o Apedeuta seria capaz de criar? Nossa democracia estaria livre de qualquer risco de bolivarianização.

Um mandato com reeleição ou um mandato mais longo sem direito a novo período. Ao fim, muito obrigado e tenha um bom descanso.

Vá pescar, dar aulas, assar um coelhinho, virar porta-bandeira, dormir o dia inteiro, o problema é seu, porque você não será mais problema do país.



Pra que mais?

Isso aí, não troque inflação, mensalão, superfaturamento, cubanização, caos na saúde, infra-estrutura sucateada, transportes péssimos, impostos escorchantes, censura, politicamente correto, ba$e alugada, alianças com patifes, marxismo cultural, sindicatos e movimentos sociais mamando, aparelhamento, Rose, Pasadena, Abreu e Lima, bolivarianismo, fora o resto, pelo duvidoso.

É Dilma de novo pra manter tudo isso de maravilhoso que está aí e mudar mais (pra pior, claro).



Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

Não consegui descobrir o que é mais grave. Primeiro o cara realmente pensa que DCEs contribuem de alguma forma para algo que não seja choppadas para arrecadação própria, piquetes, interrupção de aulas para recados esdrúxulos, manifestações pela Palestina, Líbia, Azerbaijão, Lichtenstein ou Brunei e servir de estágio preparatório para encostado de sindicato, político pilantra ou funcionário público barnabé que pendura o paletó na cadeira e sai pro almoço as 10:30 só retornando para pegar o paletó de volta as 17:50.

Sem DCEs as universidades brasileiras provavelmente seriam tão ruins quanto são hoje, mas com certeza seriam menos infestadas de malucos beleza, estudantes profissionais, feminazis, esquerdopatas de cérebro baldio e revolucionários do Toddynho.

Depois é alguém acreditar a esquerda do Stalin, Pol Pot, Mao, Che, Fidel e Raul Castro, Hugo Chávez, Nicolás Maduro, fora o resto do clube dos psicopatas, é a única capaz de "lutar por melhores condições".

Pra não dizer que sou malvadão e fico mandando os rapazes irem pra Cuba, mando pra Venezuela fazer um moderníssimo cadastramento biométrico para comprar farinha, frango e papel higiênico. Tendo que passar o resto do tempo se virando no mercado negro ou então comendo pátria e se limpando com socialismo.

Eles que vão aproveitar as "melhores condições" da esquerda pra lá.


(Clique na imagem para ampliá-la)

sábado, 23 de agosto de 2014

Dieta bolivariana

Olha como é legal: agora na Venezuela o governo vai fazer um cadastro biométrico das pessoas para deixar que elas façam compras no supermercado, algo que JÁ FAZIAM antes sem autorização e nem cadastramento algum. 

Nada como um Estado corrupto e paquidérmico para regular até quantas rosquinhas você pode comer por mês.

Não é à toa que criaram o ministério da suprema felicidade, deve ser para lidar com tanta gente feliz por viver a revolução do século XXI que o bolivarianismo realiza.



Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

De "sem medo de ser feliz" e "a esperança vai vencer o medo" para "deixa essa merda aí mesmo porque se tirar a gente pode piorar" é realmente um infame caminho trilhado em apenas 12 anos.

E o PT que era a "ética" e o "novo" virou um partido de gatos gordos que distribui dentadura em troca de voto.

Em tempo: a turma do tio Emir trocaria o certo pelo certo, basta o PT perder que é certeza do fim da moleza.