terça-feira, 26 de agosto de 2014

Anselmo, sempre ele, o todo-todo

Confesso que leio a coluna do Anselmo Góis quase todo dia. Confesso também que geralmente preciso tomar um sal de fruta depois.

Todo os elementos aziagos do "jornalismo progressista" estão ali. Babação de ovo do Chico Buarque, notinhas do Jean Wyllys, politicamente correto, coitadismo, direitos dos manos, padrão cultural "Esquenta" da Regina Casé, you name it. Tudo está lá.

E como não poderia faltar, a defesa de cotas raciais, essa malandragenzinha que usa a cor da pele para passar os outros para a frente da fila.

Mas, claro, eles sempre se superam. Geralmente quem ostenta esses dicursos jamais me decepciona, porque quando espero o pior, eles fazem o melhor do pior.

A crítica do Anselmo agora foi direcionada aos "pais da Zona Sul" que colocam seus filhos para fazer provas de acesso às escolas técnicas federais para assim terem direito a cotas do ensino público no vestibular de medicina e outras carreiras concorridas.

Segundo o esquerda caviar, não só "parece injusto", como é "injusto".

Pensemos: os "pais da Zona Sul" sustentam TODO o sistema educacional com seus impostos, além disso precisam pagar "escolas caras" porque o dinheiro que o Estado toma deles não é usado para que todo o ensino público seja minimamente decente, seus filhos prestam CONCURSO PÚBLICO para um escola técnica e CASO APROVADOS terão à disposição um ensino de qualidade e vantagens determinadas por lei para todos em situação semelhante na hora do acesso à universidade.

Pronto, essa é a história. Não há vagas compradas, escravos levando brancos ricos em liteiras para as aulas de química, clubes de golfe exclusivos, nada.

Mas o Anselmo acha ruim. Para ele, "ricos" da "Zona Sul" só têm direito de PAGAR para sustentar a paquidérmica máquina estatal. Vagas em universidades públicas para eles só as que SOBRAREM e mesmo assim caso obtenham o triplo ou o quádruplo da pontuação de um cotista, que agora deverá morar no "bairro certo".

Cria-se dessa forma a cota geográfica. Branco, de classe média, morador das regiões tais e tais não poderá cursar uma escola técnica federal e nem entrar na universidade pelas mesmas regras dos demais.

Sabe como é, a dívida histórica está aí e os seus juros são piores que o rotativo do cartão. Além do mais, essa coxinhada tem é que pagar e calar a boca, afinal, são todos da elite escravagista mesmo, querem ser médicos pra quê?

Pra abrir clínica de cirurgia plástica na Barra? Aff.



0 Comentários