terça-feira, 2 de setembro de 2014

Enquanto você brinca de ser tolerante, os bárbaros se aproximam do muro

Assistam esse vídeo e me digam se gostariam que isso acontecesse na sua cidade. Até quando? 

Uma inglesa retorna para sua cidade que agora tem forte presença muçulmana. Resolve sair às ruas e encontra um protesto onde homens de toalha na cabeça e mulheres de burca berram "Reino Unido vá para o inferno" e "polícia britânica vá para o inferno". No meio há um homem com um cartaz escrito "a sharia é a solução para o Reino Unido". A moça começa a acompanhar a "manifestação" seguida de uma pessoa que fica filmando.

É insultada, dedos são colocados na sua cara, dizem que ela está "nua" na rua e o cúmulo acontece quando um sujeito com cara de turco de novela diz para ela que "só respeita a lei de um país se a lei for islâmica" e que "nem precisa conhecê-la, porque se ela não é muçulmana, já sabe que ela vai para o inferno".

Isso na Inglaterra, em pleno Ocidente. Será que num país muçulmano tal coisa seria permitida? O próprio sujeito com pinta de cafetão de odalisca dá a entender que não, mas e daí? Ali ele pode falar o que quiser. Ali ele tem liberdade de expressão até para insultar o país que faz de hospedeiro. Por que não usar essa liberdade para tentar impor um regime que nega a mesma liberdade aos outros?

Enquanto ocidentais são decapitados no Iraque e na Síria, enquanto cristãos e outras minorias são sequestrados, estuprados, torturados e mortos na África e no Oriente Médio pelo "crime" de serem "infiéis", essa gente passeia livre pelo Ocidente, pregando em nossas ruas seu discurso de ódio. E no Brasil, um certo deputado do PSOL que já quis implantar o tal "kit anti-homofobia" nas escolas, agora quer tornar obrigatório o ensino do islamismo.

Toda essa tolerância ainda vai colocar um trapo na sua cabeça ou uma espada no seu pescoço é o que parecem dizer as evidências. Tomara que eu esteja errado.

Link do vídeo: http://www.aleteia.org/pt/mundo/video/video-marcha-islamica-em-cidade-inglesa-choca-mulher-que-cresceu-no-local-5786175386157056




0 Comentários