sábado, 4 de outubro de 2014

Da série "As catacumbas de um cérebro baldio"

Da série "As catacumbas de um cérebro baldio".

Agora imaginem vocês, só a título de adivinhação vulgar, se uma, digamos, torcedora do Grêmio escreve no Twitter alguma tosquice burra e generalizante assim:

"Pretos são todos inúteis e indolentes, não é a toa que foram escravizados e precisaram de uma branca para libertá-los, são tão preguiçosos que nunca na história um deles serviu para algo além de jogador de futebol, pagodeiro ou cuspidor de rap, sem cotas não sairiam de trás do cavaquinho".

Claro que é uma estupidez tão ridícula e abjeta quanto dizer que "não há um único canalha na história que não tenha se escondido atrás dos bons valores da família tradicional cristã", mas nesse caso é tolerada - ou você ouviu aí o berreiro dos tolerantes, do MP ou da OAB? - porque foi pronunciada por alguém que, ainda que ganhe rios de dinheiro tocando música ruim, pertence à "classe oprimida" e falou contra a Geni dos esquerdistas de galinheiro, que são os cristãos.

Isso é que dá quando um país abdica do debate sério sobre seus problemas para enveredar-se pelo lodaçal da luta de classes e quando abdica de formar cidadãos para colocar artistas de gosto duvidoso como "formadores de opinião".

Em todo caso, se o "Emicida" resolvesse se arriscar mais na leitura e menos na opinião política rombuda, descobriria, para sua surpresa, que Stalin, Pol Pot, Mao Tse Tung, entre outros genocidas de esquerda, eram todos não apenas ditos ateus, mas abominavam a "família tradicional cristã".

Seja como for aguardo ansioso pela notícia do MP abrindo inquérito e do Sr. Seja-Lá-Qual-For-o-Nome-Deste-Chocarreiro-que-Se-Esconde-Atrás-de-um-Pseudônimo-Escroto sendo convocado para prestar esclarecimentos numa investigação sobre intolerância e preconceito religioso, que certamente haverá, a menos que este país seja uma piada de mau gosto que só de dói caso alguém pronuncie a palavra "macaco" num estádio.

Como já disse anteriormente, faço questão de repetir: os macacos não merecem tal comparação com humanos de qualquer cor.



0 Comentários