quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Vale tudo, mas pra quê?

Dilma Rousseff é uma mitômana. Chegamos num ponto da vida política brasileira em que afirmar isso não deve mais chocar ninguém - e, ao mesmo tempo, deveria chocar a todos - porque a presidente da República é uma pessoa que se mostrou capaz de dizer qualquer coisa para não correr o risco de perder uma eleição.

Poderia citar vários exemplos, mas a afirmação de que a irmã de Aécio Neves possui um cargo público por indicação, sem, depois de desafiada a fazê-lo, citar qual cargo e por indicação de quem, mostra que Dilma não é só um cérebro baldio, mas um cérebro baldio que aceita e repete qualquer lixo despejado por seu marqueteiro, uma mistura de Rasputin com carnavalesco de escola de samba que rebaixou campanhas eleitorais a concursos para ver quem lança mão de mais ilusionismos alegóricos de um lado e jatos de esgoto a esmo do outro.

Se Dilma usou mesmo ponto eletrônico no debate da Bandeirantes, como corre na internet, não é tão importante quanto observar o que, ditado por algum sacerdote de missa negra ou fruto do seu neurônio solitário, sai de sua boca. Dilma prometeu "fazer o diabo" nesta eleição e tenho certeza de que em algum lugar nas profundezas do inferno o candango está muito orgulhoso do que ela faz em seu nome.

Nada parece mostrar que há um limite em que o PT, seu marqueteiro e sua candidata possam dizer: não, pera aí, isso também já é demais!

Pelo contrário, parece é que nada é o bastante. Fizeram uma campanha canalha contra Eduardo Campos, uma campanha calhorda contra Marina Silva e hoje fazem uma campanha criminosa contra Aécio Neves. Seus cortesãos na internet - muitos beneficiários de patrocínios governamentais ou contratos sem licitação - dizem que o candidato opositor é usuário de drogas, espancador de mulheres, que já foi internado com overdose, entre outras baixezas que jamais deveriam vir de quem é aliado de narcotraficantes no Foro de São Paulo, de um pagodeiro espancador de esposas do PC do B e liderados por um sujeito conhecido por abusar do álcool.

O próprio líder da seita, vejam que coisa, teve o desgarre de dizer que Aécio Neves não tem moral e deveria fazer um teste de bafômetro. Só no Brasil o homem que instalou uma "amiga íntima" num escritório da presidência transformando um órgão do governo em cafofo, sem contar que provavelmente explodiria o bafômetro caso fizesse o teste, é que aparece num palanque dizendo isso sem ser recolhido em uma instituição contido por uma camisa de força.

Vemos hoje no Brasil que o PT odeia a democracia. Quando o eleitor ousa não OBEDECER o partido, parte para o terrorismo, para o mar de lama, para mentiras, calúnias, difamações. Distorce a democracia passando a noção de que esta não passa de um vale tudo pelo poder que garante o acesso ao DINHEIRO DOS OUTROS, que é o grande vício do qual o PT é dependente.

Quando o Brasil pegava fogo em junho de 2013, Dilma Rousseff não se reuniu com o ministério para achar soluções, mas voou para São Paulo afim de se encontrar com seu marqueteiro João Santana, o sacerdote de missas negras. Isso diz muito sobre a situação do Brasil hoje, mais de um ano depois.

O Plano do PT e de Dilma, que é simplesmente GANHAR a eleição, se encerra no dia 26 de outubro. Depois disso eles "vão ver o que fazer". Energia, combustível, impostos, tudo isso vai explodir, fora o escândalo da Petrobras, mas não tem problema, se eles VENCEREM, que é o que importa, depois dão um jeito de comprar uma maioria no Congresso- como já fizeram - e se arrastar até o fim de mais um mandato, quando o mar de lama eleitoral voltará em busca de mais uma vitória a qualquer custo que, no caso do partido, não passa de um fim em si mesmo.

Mas a pergunta que fica e todo eleitor deve se fazer antes de votar é a seguinte: quem vai governar o país por mais quatro anos? A falsificadora de currículo Lattes ou o marqueteiro da campanha suja?

É isso mesmo o que você deseja para o seu futuro?




0 Comentários