sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Da série "as catacumbas de um cérebro baldio"

(Clique na imagem para ampliá-la)

Um professor resolveu dizer - preste atenção - numa faculdade de CIÊNCIAS SOCIAIS, que é contra cotas raciais e que - olha que absurdo - PESSOALMENTE, se pudesse escolher, não seria atendido por um médico cotista porque não sabe se sua formação foi tão boa quanto a de um não-cotista.

Não entro aqui na conclusão equivocada do professor, porque se ambos são médicos, é porque se formaram e o nível educacional está nivelado. Um médico cotista ou não-cotista são médicos do mesmo jeito, com potencialidades e competências equivalentes, não creio que seja honesto nem inteligente duvidar disso.

Só que todos têm o direito de falar bobagens, a Constituição ainda não proíbe o equívoco e uma universidade é local de livre expressão, debate de idéias, conflito de opiniões. Mas quê?

Lembre-se que estamos no Brasil, onde a opinião vai sendo criminalizada passo a passo em prol da agenda de esquerda babá de "minorias". Onde já se viu um professor criticar cotas numa universidade, espaço dedicado a defender regimes assassinos e liberticidas como o de Cuba?

Universidades brasileiras são espaços de livre debate sobre as maravilhas da teoria marxista e os criminosos que ousam ser contra ela. O resto deve ser interditado em nome de um "mundo melhor".

De mais a mais, o "Jornalismo Wando" está coberto de razão. Falar mal de cotas raciais é algo que denuncia sem nenhuma sombra de dúvida que a pessoa não é apenas uma racista, como uma nazista que se ressente de não poder trabalhar como guarda num campo de concentração.

Não se deve jamais questionar o desempenho de cotistas, onde já se viu? É claro que pessoas "menos favorecidas" serão infinitamente melhores do que riquinhos coxinhas de classe média, afinal, são necessariamente seres iluminados e superiores por natureza.

E vou além: qualquer um, sem exceção, que seja contra cotas raciais é, na verdade, um escravagista inconformado porque não pode comprar meia dúzia de escravos na promoção durante o aniversário dos Supermercados Guanabara.
0 Comentários