quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Contra o PT de fraque


Eduardo Cunha é hoje a ÚNICA chance da Câmara ser independente. Não digo que vá ser do jeito que eu queria, talvez até seja dadas as canalhices que o PT tem feito contra ele, mas com Chinaglia podem esperar um Toffoli na presidência da Câmara.

Uma articulação procura levar os votos do PSDB para Cunha logo no primeiro turno, para derrotar o PT de uma vez e evitar pressões que possam transformar o segundo turno da eleição para a mesa diretora em algo imprevisível. O PT tem o Planalto e o Planalto tem dinheiro. Depois de poder, conhece outra coisa que deputado mais ame?

Pois os líderes do PSDB - não um, mas logo TODOS - correram para tentar melar esta adesão. "Absurdo" disse José Serra. FHC mostrou-se "inquietado". Aécio correu para reafirmar o compromisso com a natimorta candidatura de Júlio Delgado. Até Alckmin foi acionado.

"Não se pode priorizar a derrota do PT", é a idéia de gênio.

Claro, para quê derrotar o PT? Controle da mídia, Congresso de joelhos, CPIs engavetadas e abafadas, nada disso é do interesse do Brasil. O interesse do Brasil é o PSDB não se mostrar tão "anti-PT" quanto o PT se mostrou "anti-tucano" durante os oito anos do governo FHC.

Afinal, qual o interesse em tratar o PT como inimigo, não é mesmo? O partido só chamou o candidato tucano de "playboy canalha viciado em drogas e espancador de mulheres" durante a campanha eleitoral, o que isso tem de mais?

O fato é que o PSDB se ressente do desprezo que o PT nutre e demonstra por ele. O PSDB se diz de esquerda, quer ser de esquerda, mas a esquerda já está infestada de gente, não há espaço para crescer por ali.

Daí que o PSDB ACEITA votos da direita conservadora, mas só porque não tem outro lugar pra caçar votos. O sonho dos tucanos é mesmo ser um PT de fraque. As vezes a impressão que dá é que o PSDB é uma noiva esperando o PT no altar para se tornar "moça honesta de esquerda".

O problema é que, dada a índole do noivo, esse é um casamento que só pode ocorrer se for na delegacia.

Link da notícia: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/01/1581184-aecio-fhc-e-alckmin-reagem-a-articulacao-pro-eduardo-cunha.shtml
0 Comentários