quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Porão


Josef Fritzl chocou o mundo em 2008, mas antes disso ele já aterrorizava sua própria família ao trancar a filha Elizabeth num porão durante 24 anos, estuprando-a, tendo filhos com ela e mantendo-os ali, junto com a mãe-irmã sob condições de vida duríssimas.

Um dia em 1994 Josef atraiu sua filha até o porão, drogou-a e a manteve prisioneira. O que antes era apenas um buraco passou por "melhorias", ganhando um quarto, uma cozinha e um banheiro, todos interligados por estreitos corredores.

Josef vivia assim com uma família na casa de cima e com outra na casa de baixo. A de cima tinha uma vida normal, ia para a escola, viajava nas férias, tinha amigos, consumia, tomava banhos de piscina, se divertia. A família do porão ficava ali trancada, recebendo comida das mãos do pai-avô-carcereiro, torrando de calor no verão, sem ver o mundo fora daquele porão.

Sua filha jamais se rebelava, com medo dele deixá-los ali para morrer de inanição. Só foi descoberta porque um de seus filhos passou muito mal, ela convenceu Josef a levá-lo ao hospital e assim depois de 24 anos, Elizabeth tomou coragem e denunciou o monstro para as autoridades. Sem nem tentar negar - negar como? - Josef se entregou para a polícia, que entrou no porão, libertou a família e deixou toda uma sociedade perplexa.

Como algo assim acontece embaixo de uma casa onde pessoas moravam e ninguém nem desconfiava? Como uma sociedade se torna tão indiferente a ponto de não perceber tal horror?

O Brasil é hoje, de certa forma, o porão do monstro de Amstetten, como Josef ficou conhecido. Presos num porão invisível, milhões de pessoas vivem apertadas em favelas quentes, andando por vielas insalubres, morrendo de medo de seus carcereiros fecharem as torneiras de benesses e os deixarem morrer de fome. Nem sonham que existe um mundo lá fora, onde pessoas não só trabalham para comer, mas para se divertir, estudar, crescer, viver e não somente sobreviver.

Seus carcereiros, vivendo na casa de cima invisível (ou nem tanto), andam por aí fantasiados de pais dos pobres. Estupram estatais, estupram agências reguladoras, estupram o bolso do cidadão com impostos e taxas e juros, mas se acham muito bons, afinal, dão de comer para as pessoas.

Lula e o PT são os Josefs do Brasil. Quem mama, quem se dá bem, quem vive longe do porão fingindo não ver o que se passa bem debaixo dos seus narizes é a família que coabita com o monstro, indiferente.

O resto você sabe bem quem é. Só falta tomar coragem, se rebelar e dizer chega.
0 Comentários