quinta-feira, 2 de abril de 2015

O patrono dos reeducandos brasileiros


Um termo que usam no Brasil para chamar "presidiário" é "reeducando".
Isso é curioso, porque sabendo que Paulo Freire chamava "aluno" de "educando", podemos supor que o método formador de analfabetos funcionais e idiotas úteis também é excelente para abastecer presídios, já que o "reeducando" provavelmente é uma das vítimas do "patrono da educação brasileira".
Quem sabe se na escola ao invés de "revoluções" e "opressões" estivessem ensinado história, português, física, química, matemática, geometria, literatura, redação, etc., como todo aluno merece, o "educando" não terminasse virando um "reeducando".
Mas agora vou parar com esse reacionarismo, vamos afastar as mesas e formar um círculo. Sobre o que a turma gostaria de dialogar?
P.S.: Como bem lembrado pela excelente resenha de Marcelo Centenaro para o site Reaçonaria, Paulo Freire foi capaz de cometer frases como: “a revolução é biófila, é criadora de vida, ainda que, para criá-la, seja obrigada a deter vidas que proíbem a vida". Como podem notar, o canalha fazia eufemismos para dizer que "reacionários" devem ser mortos. Definitivamente não há patrono melhor para os "reeducandos" do Brasil.
0 Comentários