quarta-feira, 6 de maio de 2015

Imprensa isenta é ilusão (ou mau-caratismo)

Nos Estados Unidos e na Inglaterra (deve haver mais países, mas falo destes dois porque acompanho sua política mais de perto) os veículos de imprensa não só têm preferência por um ou outro partido como declaram apoio abertamente nas eleições.

O brasileiro médio, entorpecido pelas próprias ilusões, realmente acredita na existência de algo como uma imprensa isenta. Daí se irrita com a Globo, com a Veja e acredita mesmo que a tal "mídia progressista" quer apenas defender os interesses do povo contra as tais grandes corporações.

Quero ver essa gente viver de blog depois que o PT sair do governo.

Mas o fato é que não existe isenção e nem deve existir. Ser "isentão" o tempo todo é como ver o "outro lado" de uma história onde só um deles é errado. É procurar os defensores da varíola para falar contra a medicina e assim não ser tendencioso.

Exagero? Claro, mas nem tanto, nem tanto.

Hoje no Brasil existe um e só um partido que assalta o erário público e possui planos de eternização no poder, com recurso à violência e à supressão de liberdades para chegar a este objetivo. Para eles, a lei só vale para os adversários. Caminhoneiros fechando estradas? Força Nacional e porrada neles! O MST fechando estradas e incendiando pedágios e destruindo propriedades e agredindo pessoas? Ah, a récua a soldo do companheiro Stedile pode tudo.

Logo é totalmente plausível condenar a violência excessiva da polícia do Beto Richa, mas é pilantragem intelectual comparar a situação do Paraná com o exército de ocupação que o PT representa na estrutura pública do Brasil.

Não há como tratar coisas tão diferentes como iguais, só mesmo na cabeça idiotizada de militantes, nas mentes malandras da companheirada que vive como uma corte de Luis XVI e na imprensa companheira, saudosa dos tempos em que ser esquerdopata estava na moda.

Por mais que o PSDB e demais partidos de oposição tenham defeitos - e os tem aos montes - nada hoje se compara à destruição provocada pelo PT. Isso é um fato, contestar isso é procurar o "outro lado" que defende a revogação da lei da gravidade.

Por isso tem muito colunista político brasileiro que acha que brincar de pêndulo é ser isento. Bate no PT hoje e daí a uns dias dá uns tapas no PSDB, só pra se limpar.

Só dois tipos de pessoas acreditam que isso é isenção: gente tapada demais ou gente esperta demais. Em ambos os casos, só há um beneficiado por isso: a varíola, quer dizer, o PT.
0 Comentários