segunda-feira, 27 de julho de 2015

O PT só é perseguido pela lei e pela justiça


Antes de mais nada me permita confessar uma coisa: pela primeira vez em muito tempo eu concordo com os petistas, realmente se o Aécio tivesse sido eleito seria muito pior. E seria pior porque esta corja que hoje se agarra como pode aos seus cargos e verbas estaria aos berros na oposição, ao invés de estar sendo desmascarada perante todo o país pela crise que construiu com esmero e pela operação lava-jato, que expõe toda a podridão das catacumbas do petismo.

Até o líder da seita, antes considerado um "Pelé das urnas", anda desmoralizado, só falando em ambientes controlados e para plateias amestradas. Já notaram como os petistas agora já se dividem em seus gritos de guerra entre "Lula 2018" e "Lula não será preso, se for incendiamos o país"? Pois é, mais uns meses e só a ala carcerária permanecerá.

A situação é tão crítica que mesmo enviando mensagens por moleques de recado da imprensa, o PT não conseguiu que seus "patos" do PSDB caíssem em mais uma esparrela de "união nacional". Tirando Geraldo Alckmin, que tem pretensões presidenciais e precisa queimar Aécio Neves, nem o ex-presidente Fernando Henrique se mostrou mais disposto a dialogar com petistas, como se algum dia petistas tivessem dialogado com alguém que não seu próprio rebanho.

Com 70%, 80%, 90%, 110% de aprovação dos seus governos embusteiros, o PT tratava a oposição e o seu eleitorado como párias que mereciam ser confinados num gueto. Eram então os "pessimistas", os "coxinhas", a "elite raivosa", a "minoria que cabia numa Kombi e devia mudar pra Miami". O diálogo do PT sempre foi um: passar com o trator em cima de quem não se curva ao partido.

Agora com 7% de aprovação, com seus líderes impedidos de sair às ruas sob risco de vaias e insultos, querem "conversar". Mas conversar com quem? Com quem vai tirar a comida da mesa do trabalhador? Com quem tem raiva de pobre? Com quem deseja entregar o país para os estrangeiros? Com quem é vira-lata? Não, podem latir sozinhos, aqui não tem conversa.

A única conversa que o Brasil que presta deve ter com o PT se resume a ouvir a confissão de seus criminosos, receber de volta o dinheiro roubado e desejar boa sorte nesse terreno desconhecido aos militantes do partido, que se chama mercado de trabalho. Pagar impostos e colaborar ao invés de sugar o país para variar será um bom começo.

Por fim, Lula disse que sua seita está sendo mais perseguida do que os judeus pelos nazistas. 

Só que os petistas não estão sendo enviados em vagões como gado para campos de extermínio, não estão sendo mortos de fome deliberadamente, não estão sendo desumanizados e dizimados simplesmente por ser quem são. A comparação é ofensiva até mesmo quando feita por um boquirroto mal educado e grosseiro.

Como se os judeus tivessem sido eleitos para o governo da Alemanha contando mentiras e difamando adversários, tivessem aparelhado o Estado e assaltado seus cofres e nutrissem planos de hegemonia total, enquanto os nazistas trabalhavam para sustentar a farra.

Não, Lula, o PT não é perseguido por nada além da lei e da justiça. Andasse de acordo com ambas e não haveria "perseguição" alguma. Agora acertem as contas com o país e paguem o que devem.
0 Comentários