segunda-feira, 10 de agosto de 2015

A revolução dos bichos está completa na Venezuela


Nove entre dez petistas e esquerdistas em geral só têm elogios a fazer sobre o chavismo. Pode sair por aí perguntando para sindicalistas, estudantes profissionais da UNE, terroristas do MST, colunistas alugados, ex-jornalistas que hoje vivem em blogs que mais parecem galinheiros sustentados com verba estatal, fanfarrões de bairros nobres, artistas viciados em Lei Rouanet, etc. 

Sei que essa renca de estúpidos e malandros não é parâmetro, mas é um sintoma do tamanho do estrago mental feito na sociedade brasileira por um sistema educacional que não educa, mas doutrina e que emburrece e brutaliza os filhos das pessoas que confiam em professores quando seus filhos encontram, na maioria das vezes, molestadores intelectuais nas salas de aula.

É uma junção de esquerdismo farofeiro com o método Paulo Freire que transformou o Brasil numa nação de idiotas úteis, sempre prontos a repetir bordões que não querem dizer nada, como, aliás, é a essência do "pensamento" de esquerda.

Sendo assim, um país miserável, governado por um gorila que manda atirar em manifestantes nas ruas, que encarcera e cassa direitos políticos de opositores, censura a imprensa, vive sob escassez de tudo (menos da brutalidade estatal), que tornou-se um dos mais violentos do planeta, favelizado, atrasado e cada vez mais isolado, mesmo sentado sobre imensas reservas de petróleo, em suma, um país que vive um dos piores momentos de sua história sob qualquer aspecto que se analise, é considerado pela esquerda brasileira como exemplo, como uma nação que vive uma virtuosa "revolução" e que só não dá certo porque a "mídia", a "elite" e, claro, os "estadunidenses" sabotam.

Segundo Lula, o líder da seita dos macunaímas, na Venezuela existe democracia "até demais". E para Dilma, o estado-masmorra governado por Nicolas Maduro é um parceiro tão importante que mereceu até mesmo um golpe no Mercosul a seu favor.

Pois bem, tal ilha de prosperidade, desenvolvimento e avanço revolucionário atingiu mais um nível no pesadelo que o cidadão-médio daquele país vive diariamente nas garras da boliburguesia, a elite bolivariana do capital alheio que enriqueceu e vive como playboy internacional com o dinheiro dos outros.

Por falta de remédios, as pessoas estão recorrendo a produtos veterinários para se tratar. Não adianta ter dinheiro, porque a indústria arrasada pela estatização e a economia em frangalhos do país não são capazes de abastecer o mercado.

Assim, caso você tenha tosse, cure com o remédio do seu cachorro. Caso tenha dor de barriga, tome um comprimido do seu gato. Pneumonia? Injeção de cavalo. Espinhela caída? Tente alguma coisa que dão para os bodes.

Porque é isso que acontece quando um país voluntariamente se entrega ao domínio dos lobos e dos asnos.
0 Comentários