quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Curriculum vitae, Dilma Vana Rousseff




Dilma Rousseff, sabe-se lá por que ironia ou castigo do destino, é a 36ª presidente do Brasil. 

Aliás, sabe-se lá não, porque as causas são conhecidas e envolvem mentira, difamação de adversários, campanhas milionárias regadas a dinheiro suspeito, bolha de consumo e a popularidade de um sujeito ególatra e autoritário que resolveu instalar um fantoche na presidência, para continuar mandando.

Mas isso é notório, qualquer um que vive e encara a crise que o lulopetismo jogou o país sabe que Dilma não é apenas péssima oradora, mas também uma péssima governante que possui todos os defeitos dos medíocres: a arrogância, a teimosia, a soberba.

Chegou ali, veja você, depois da seguinte trajetória: terrorista na época do regime militar, secretária de fazenda apagada da prefeitura de Porto Alegre, presidente de uma estatal gaúcha por favor prestado ao marido, secretária de Minas e Energia que não sabia diferenciar uma pilha de uma bateria, ministra das Minas e Energia do governo Lula que não conseguia nem mesmo operar um ventilador de teto, ministra da Casa Civil substituindo o mensaleiro e presidiário José Dirceu.

Depois disso ainda deu lugar à amigona Erenice Guerra, enxotada da Casa Civil depois de transformar o órgão numa loja de secos e molhados da sua família. Foi candidata criada por Lula para esquentar a cadeira de presidente por quatro anos esperando a volta do chefe, se fingiu de faxineira apesar de adorar viver chafurdada no meio do lixo, deu um passa-moleque no seu criador, insistiu em ser candidata à reeleição e jogou o país no buraco ao ignorar uma crise iminente para praticar estelionato eleitoral e vencer a qualquer custo.

Ah, esqueci de sua incursão pela iniciativa privada: faliu uma loja de 1,99 em Porto Alegre. Isso mesmo, a "Pão&Circo" - nome que viria a ser o carro-chefe de sua atuação na presidência anos mais tarde - funcionou entre 1995 e 1996 e deixou Dilma entubada com cacarecos do Panamá.

Mas dentre todas as "qualidades" citadas, Dilma tem uma característica principal, que merece ser dita: ela detesta política.

Grosseira, auto-suficiente, avessa a negociações, péssima oradora, sem carisma, uma administradora medíocre, uma gerente que não tem visão para enxergar nem daqui a dois minutos. Não dá para entender por que Dilma fica adiando a sua saída do governo, como se o seu maior plano fosse apenas não cair.

A mulher detesta política, não demonstra o menor prazer ou aptidão no exercício da presidência, e quer continuar PRA QUÊ? Só por capricho mesmo.

Coisa de menina rica (que Dilma foi), que sonhava em ser comissária numa Cuba com samba, feijoada e de tamanho continental e acabou como uma presidente detestada e que detesta ser presidente, porque detesta a democracia.
0 Comentários