sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Os brasileiros que anunciaram um novo dia


Em janeiro de 2013, o PT ainda tentava manter as aparências de partido político e organizou em Brasília, numa galeteria, um jantar para arrecadar dinheiro para seus companheiros mensaleiros.

Naquele árido e sombrio período, quando o Brasil ainda se entregava ao canto da sereia bêbada e com língua presa do líder da seita, levantar-se contra o partido era mais do que um ato de contestação, mas um ato de coragem, que poderia submeter a pessoa aos constrangimentos, ofensas, perseguições e agressões que sempre foram direcionados aos adversários do partido.

Só que tudo tem um começo e assim como os 20 do MASP - cidadãos não aparelhados que se reuniram naquele mesmo ano de 2013 e foram precursores das multitudinárias manifestações de 2015 - uma corajosa advogada chamada Marília Gabriela Ferreira foi, junto com alguns poucos cidadãos, para a frente do restaurante onde a famíglia petista se reunia e, sozinha, empunhou um cartaz que dizia "Querem ajudar seus amigos? Dividam com eles parte da pena restritiva de liberdade".

Mal sabia a doutora que o petrolão levaria vários petistas a compartilhar o destino dos mensaleiros dentro da jaula e que alguns daqueles protagonistas do golpe que o PT promoveu contra a democracia ao comprar votos no Congresso voltariam para a tranca de onde nunca deveriam ter saído.

Mal sabia também que a incompetência e inaptidão de Dilma Rousseff, junto com a malandragem de Lula, as mentiras e difamações do PT e o apetite da companheirada pelo dinheiro dos outros levariam um país inteiro a juntar-se a ela.

Marília não está mais só, hoje ela é milhões e milhões que não aceitam mais serem feitos de reféns de um projeto de poder corrupto e autoritário e que resolveram decretar que se nenhuma noite dura para sempre, é tempo do dia clarear novamente.

Ao PT e seus apaniguados, as catacumbas da história. Aos heróis que iniciaram a marcha que pode por um fim à Era da Mediocridade, o nosso eterno reconhecimento.

Obrigado, Dra. Marília.
0 Comentários