quarta-feira, 4 de maio de 2016

A tia ficou doida


O advogado Geraldo Lima Filho fez uma representação na procuradoria geral da República pedindo a interdição de Dilma Rousseff devido à mesma estar "mentalmente enferma".

Pode rir, eu também achei graça, mas será que é algo assim tão fora da realidade?

Vejamos: o advogado argumenta que Dilma não está "no pleno gozo de suas faculdades mentais" por planejar um indulto a 38 mil presidiárias no próximo domingo, Dia das Mães.

Convenhamos, não é algo digno de quem está no seu juízo perfeito, mas poderíamos creditar isso à um amolecimento do "coração valente", o problema é que não para por aí.

Recentemente notícias deram conta da presidente estar vivendo sob efeito de remédios. Uma lista de compras da presidência reservou 3,6 mil reais para a compra de, entre outros, 100 ampolas de midazolam (sedação e insônia) e 120 comprimidos de quetiapina (anti-psicótico). Quem estaria se alimentando de comprimidos que poderiam dopar um paquiderme desse jeito?

Mas tem mais. O palácio do planalto há algumas semanas deixou de ser um palácio presidencial e virou uma sede de DCE ou um cafofo dos delinquentes do MST ou um mocó dos vagabundos do MTST ou um muquifo de pelegos ou o nome que você quiser dar para um local que virou ponto de reunião de claques a soldo que berram ameaçando o país com desordem, "guerra civil" e até "derramamento de sangue".

E quem dera fosse só isso. Seus últimos atos administrativos - quando não está se dedicando a berrar contra um golpe que só existe na sua cabeça e de seus áulicos - são verdadeiras bombas destinadas a quebrar mais o país e a infernizar a vida dos cidadãos.

A "rainha louca" está se vingando dos "súditos" que a desprezam.

Dia desses até se cogitou que Dilma se acorrentaria no gabinete para dali ser retirada à força e gerar imagens que rodariam o mundo, chocando as pessoas.

Fora tudo isso, observe quem ainda a cerca e a apóia. Guilherme Boulos, João Pedro Stédile, Vagner Freitas, Carina Vitral, Sílvio Costa, Ciro Gomes, enfim, líderes de movimentos que vivem de sugar os cofres públicos para serem braços armados do PT e políticos sem expressão ou postura equilibrada, uma verdadeira orquestra do Titanic.

Dito isto, preciso confessar que achei até que demorou muito para que alguém formalizasse sua preocupação com a saúde mental de Dilma Rousseff.

Sim, ela mentiu, caluniou, difamou e cometeu estelionato eleitoral em 2014, mas parece que a cabeça que não consegue terminar uma frase concatenada se perdeu no próprio cipoal.

Se ela está mesmo desequilibrada ou não, ninguém além de um médico que a atenda pode saber, mas sorte que falta menos do que faltava para que essa personagem medíocre retorne para o ostracismo e vire uma nota de rodapé na lata do lixo da história.



0 Comentários