terça-feira, 7 de junho de 2016

Órgãos vitais e órgãos públicos




Li, chocado, no Globo de domingo que 153 órgãos destinados a transplantes se perderam porque os aviões da FAB estavam muito ocupados atendendo a 716 requisições de "autoridades" e que em 86 destas, estas "autoridades" estavam indo ou voltando de suas casas a passeio.

Como doador declarado - e peço aqui que cada um de vocês encha o saco da minha família no dia que eu me for, para doar TUDO e, se necessário, só me enterrar com o topete e as pestanas - isso machuca na minha alma.

O transplante de órgãos não é apenas um tratamento qualquer para diversas doenças, o transplante de órgãos é vida. Não só vida no sentido de viver ou morrer, mas no sentido de viver ou sobreviver às vezes de forma limitada e angustiante.

Quem doa seus órgãos em vida (os possíveis) ou após a morte, dá a um semelhante a oportunidade de uma nova vida. De amar, viajar, sonhar, ser você mesmo, enfim, não existe presente maior. 

Sugiro a cada um de vocês que se cadastre como doador, converse com suas famílias e seja uma ínfima partícula do que foi Jesus Cristo, aquele que se deu Todos para que tivéssemos vida, para um outro ser humano.

Um país que permite isso não é um país, não é nem um galinheiro. É indigno sequer de existir. Essa farra de aviões da FAB precisa acabar hoje. Se só terminar amanhã já terá durado tempo demais.

Mas, por sorte, essa denúncia foi feita essa semana e não há quatro semanas atrás, quando o governo do PT acusaria a imprensa de atacá-lo com pretensões políticas, cuspiria números para mostrar que o sistema de saúde brasileiro é tão bom quanto o sueco e formaria uma comissão para estudar o problema.

Com todos os seus defeitos, o presidente Temer não possui o pior deles para um político brasileiro: ser do PT. Por isso mesmo baixou um decreto determinando que pelo menos um avião da FAB fique permanentemente à disposição para órgãos e pacientes a serem transplantados, tentando fechar essa chaga aberta na face da nação.

As 153 oportunidades de vida perdidas para que 716 inúteis que ganham muito bem e podem pagar suas passagens pendurassem mais uma conta no bolso do pagador de impostos jamais serão recuperadas.

Mas é nosso dever garantir que nem uma sequer a mais seja perdida.
0 Comentários