segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Rio 2016, ufa, deu tudo certo

Eu, que sou um ranzinza, preciso dizer que a olimpíada do Rio se saiu muito bem.
Não se transforma uma cidade favelizada, suja e caótica como a capital fluminense numa Estocolmo em sete anos, mas quem esperava um fiasco de proporções épicas se frustrou.
O metrô continua ruim, o BRT talvez não funcione como relógio suíço depois que os competidores e turistas se forem, a segurança não será igual, uma coisa ou outra pode ficar abandonada e descuidada, mas durante duas semanas vivemos um sonho.
Queria morar na olimpíada, onde os canteiros são bem cuidados, a grama aparada, as ruas varridas, os ônibus chegam na hora, os muros estão pintados e o metrô se não funciona 24 horas, como deveria, pelo menos fica aberto até 1 da manhã.
Duro vai ser voltar a morar no Rio de Janeiro de sempre.
De todo jeito, a cerimônia de abertura - simples, singela e belíssima - honrou o país e seu povo perante o mundo. Não podíamos - e seria injusto fazê-lo - esperar um espetáculo milionário como o chinês ou inglês em 2008 e 2012 respectivamente, mas tirando a Regina Casé e a cultura do pobrismo, aqueles índios trançando um imenso painel, o Santos Dumont voando sobre o estádio e irritando seus detratores e a pira olímpica, seguramente a mais bonita de todos os tempos, deixaram o brasileiro se orgulhar só um pouquinho de si.
E já era tempo.
O povo, o cidadão, merecia isso. A classe política e governante brasileira, em todos os níveis da administração e em todos os três poderes é composta por cafajestes irrecuperáveis, corruptos incorrigíveis e cretinos fundamentais, mas o povo, esse que sofre no dia a dia o que os cafajestes, corruptos e cretinos fazem, esse não merecia passar vergonha.
E não passou. O povo brasileiro, que bancou a festa, mostrou que vale muito mais do que parece. As conquistas, as derrotas, as alegrias e frustrações no campo desportivo ficam pequenas perto desse fato: mesmo do seu jeito e com as suas características, o Brasil não precisa perder sempre.
Que além da conta para pagar, fique também essa lição.
0 Comentários