quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Como transformar o seu "fora, Temer" em realidade for dummies

Vocês que estão aí berrando "fora Temer", não precisam se desesperar, tem um jeito de tirá-lo do governo. Eu, que participei da derrubada do desastroso governo do PT com muito orgulho, posso ensinar de graça.

Vamos lá.

A receita é "simples": apresentar pedidos de impeachment na câmara, conseguir que um deles seja aceito, passar pela comissão especial do impeachment na câmara, passar pela votação no plenário da câmara, ser enviado ao senado e aceito, passar pela comissão especial do impeachment no senado, ter aprovado o parecer do relator na comissão, enviar ao plenário, debater e aprovar (ou não) o parecer do relator no plenário, ser instaurado o processo, voltar para a comissão especial do impeachment no senado e ser aprovado de novo, retornar ao plenário do senado para as oitivas de testemunhas, o depoimento do acusado, a votação final em plenário e o afastamento definitivo.

Tudo isso sem esquecer de colocar milhões nas ruas em pelo menos três ou quatro oportunidades sem que nenhuma lâmpada de um poste seja quebrada, esperar todos os muitos e demorados recursos ao STF com as devidas anulações de atos já tomados e a repetição de tudo, debater todas as questões de ordem e "pela ordem" levantadas todos os dias pelo menos umas 20 vezes, respeitar todos os "recursos da defesa" (chicanas) pacientemente sob pena de ser acusado de "violar o direito de defesa", cumprir centenas de horas de sessões tanto nas comissões quanto nos plenários, com discursos, depoimentos e protestos intermináveis, fora as confusões com suspensões de sessão.

Aí sim, com sorte, depois de uns 9 meses, o Temer sairá.

O problema é que até lá a constituição - que não prevê plebiscito para terminar mandato ou eleição antes da hora sem a cassação da chapa ou a renúncia da chapa - diz que a eleição tem que ser indireta, porque já terá passado da metade do mandato.

E aí quem vai escolher o presidente num colégio eleitoral é ESSA câmara dos deputados que está aí, a mesma que o PT e seus satélites chamam de "corrupta, conservadora, fascista e golpista".

Façam sua escolha.
0 Comentários