sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Menos ocupação e mais gente se ocupando


Neste momento uma loja de móveis está sendo atacada por feministas e seus equivalentes nas redes sociais.

Mas vamos aos fatos: um cara relacionado à loja disse num grupo sobre design que acha que homens são melhores do que mulheres para projetar móveis. Uma opinião tosca, mas ainda assim é a opinião dele, o máximo que qualquer pessoa normal pode fazer é discordar e lamentar.

Segundo fato: a empresa resolveu fazer uma campanha utilizando modelos em trajes sumários e situações meio surreais - uma bela morena segurando um CABIDEIRO numa descida para uma PRAIA, por exemplo - para promover seus produtos.

Pronto. Os justiceiros sociais juntaram sua turba para fazer o que sabem melhor: linchamento e assassinato de reputações, dando falsas avaliações para fazer a empresa ficar com o filme queimado no Facebook.

Ao invés de fazer o que 99% dos social medias fazem e pedir desculpas beijando o anel do coitadismo, a empresa lançou um desafio: se eles conseguirem fazer a avaliação ficar abaixo de 1.1 (uma medida do Facebook) até o final de janeiro, eles doam 10 mil em compras para a moça que iniciou a confusão. Se a avaliação ficar acima disso eles doarão uma outra quantia para a AACD.

Assim a área de avaliações da empresa virou um campo de batalha de fazer inveja à batalha dos bastardos de Game of Thrones.

Mas isso é normal, essa gente do "mais amor por favor" transforma tudo em guerra. O curioso são as declarações dos justiceiros sociais.

Mulheres que não concordam com eles merecem apanhar e serem escravizadas pelos maridos. Homens que não concordam com eles merecem ser "expostos" e "sofrer" e a empresa que ousou desafiá-los merece "ir à falência".

Ou seja, em nome de uma subjetiva "objetificação da mulher" - não consta que a modelo das fotos tenha sido obrigada a estar ali - eles acham que várias famílias que dependem de uma empresa merecem perder seu sustento, apenas para "vencer o argumento".

Como se nota, feminismo, afro-coitadismo e qualquer justiçagem social em geral não passa de uma adolescência eterna ou tardia: uma idiotice que atinge a pessoa e quando aparecem responsabilidades, preocupações de verdade e contas para pagar, geralmente passa.

E quando não passa acontece isso que aconteceu com essa loja de móveis.



Quem estiver curioso, o link para a página deles está aqui: https://www.facebook.com/AlezziaMoveis/
0 Comentários