segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

O ocidente, a esquerda e o islã


Uma pesquisa do jornal Washington Post descobriu que 9 entre 10 indígenas americanos não se sentem ofendidos com o termo "pele vermelha".

A pesquisa foi realizada porque justiceiros sociais faziam uma campanha para exigir a mudança do nome "ofensivo" do time de futebol americano "Washington Redskins". Mas quem liga? Os justiceiros decidiram que o nome é ofensivo sim e pronto, a campanha segue.

Contei isso para ilustrar com um caso menos grave como justiceiros sociais não ligam para os problemas de verdade, para as pessoas de verdade, mas apenas para sua agenda marxista anti-homem-branco-ocidental-cristão-hétero-de-família e seu universo paralelo.

Veja o que aconteceu no caso da suspensão de visto de entrada para imigrantes e refugiados vindos de sete países de maioria muçulmana decretada pelo presidente Donald Trump.

Como precisam de slogans, os justiceiros sociais passaram a chamar a suspensão temporária de "banimento de muçulmanos", mesmo sabendo que países também de maioria muçulmana como Indonésia ou Paquistão ficaram de fora do decreto, e correram para realizar protestos em aeroportos pelo país, chamando qualquer um que apoie a medida de "fascista islamofóbico".

Descontemos o fato do islã ser hoje a única fonte de terrorismo por razões religiosas do mundo e também o fato de ser extremamente idiota permitir a entrada de hordas de homens solteiros e em idade militar em qualquer país sem a devida checagem, vamos nos concentrar apenas na mente prejudicada dos esquerdistas.

Dias antes de deixar o cargo o ex-presidente Obama autorizou a DEPORTAÇÃO de refugiados cubanos, ou seja, os EUA, por ordem do queridinho do politicamente correto, passou não só a recusar cubanos que fugiam da ilha como também a enviá-los de volta para a ditadura dos Castro.

Você viu alguma manchete escandalosa, protesto ou gritaria da esquerda mundial? Nem eu.

Mas Trump mexeu com um de seus bezerros de ouro que é o mito da "religião da paz" que é "deturpada" por radicais. Alguma semelhança com as idéias de Marx, sempre "deturpadas"?

O fato é: a esquerda é tão doentia que por ódio aos "valores ocidentais burgueses" de um lado apoia a militância gay desgovernada e feminismo tosco e do outro, por ódio aos mesmos "valores ocidentais burgueses" apoia o islã, que pratica a submissão das mulheres e o assassinato de homossexuais. Fora a intolerância contra os "infiéis", mas essa é a parte que a esquerda gosta.

É hora de dizer um sonoro "chega". Porque, a seguir assim, o ocidente está condenado à derrota pela própria estupidez.
0 Comentários