sábado, 15 de julho de 2017

O arquiteto do puxadinho Brasil

Esqueça só por um minuto o que você pensa sobre o presidente Temer. Seja você um dos 7% que o apoiam ou algum dos que fazem oposição por razões corretas ou oportunistas, uma coisa é fato: ele não tem merecido no congresso e na imprensa 1% da reverência e do "benefício da dúvida" que a incompetente, mentirosa e corrupta Dilma Rousseff mereceu.
O impeachment de Dilma levou longos meses para se resolver, intermináveis reuniões na comissão de constituição e justiça, liminares, intervenções do STF, votações anuladas, sessões que varavam a madrugada e TODO O CUIDADO possível, impossível e, principalmente, nauseante para que petistas não berrassem - eles nunca falam, só berram - que era "golpe".
A morosidade do processo ficava ainda mais imoral quando comparada à celeridade com que os inquisidores do PT atiraram o ex-presidente Fernando Collor na fogueira em 1992.
No final os petistas continuaram dizendo que foi "golpe" e o único golpe verdadeiro foi aquele urdido na calada da noite, em algum esgoto de Brasília, pela senadora Kátia Abreu, pelo jagunço Renan Calheiros e pelo petista de toga Ricardo Lewandowski, que rasgou a constituição e manteve os direitos políticos da "presidenta".
Caso Temer se livre desta denúncia - e de mais outras duas que o procurador que só acha corruptos longe do PT já prometeu - ao fim e ao cabo, uma coisa restará definitiva: Temer é um mestre da articulação.
Em 2016 Lula transformou um hotel nas cercanias do congresso em lupanar, de onde comprava votos contrários ao impeachment de sua desastrada criatura. Não se viu da imprensa o escândalo de agora e, mesmo com toda a basculheira que acontecia naquela suíte paga sabe-se com que dinheiro, Dilma caiu.
Temer não tem contado com a cerimônia de quem se opõe à ele, com a paciência da imprensa e nem com a parcimônia dos "especialistas". O que se vê é um vale tudo, todos contra ele.
Se sair dessa, será tão e somente melhor do que Lula, aquele que muita gente considera um gênio.
Não será pouco.
0 Comentários