sábado, 12 de agosto de 2017

Cabeça de esquerdista

O feminismo enlouquecido não representa todas as mulheres que lutam por direitos. 
O sectarismo racial malandro não representa todos os negros.
O ISIS e demais terroristas islâmicos não representam todos os muçulmanos.
Movimentos neonazistas e supremacistas representam todos os brancos sim.
Dane-se a lógica.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Direita isentinha

A "nova direita" ponderada e isentinha na guerra:
- O que você tá fazendo, soldado?
- Atirando no inimigo, ué.
- Tá doido?
- Mas ele atirou primeiro.
- Pare já, não podemos nos igualar.

A esquerda quer rendição

Comparar, ainda que guardando todas as devidas proporções, uma homenagem a um ex-capitão do exército na formatura de um colégio militar com a doutrinação, coação e diria até assédio intelectual que professores esquerdistas fazem TODO DIA em sala de aula, se aproveitando de uma posição de superioridade para transformar sala de aula em palanque, é o tipo de isentismo pachorrento e encimadomurismo pusilânime.
Assim como o esquema de roubo do PT é pior do que o dos demais partidos porque se destina à subtração de numerário mas também à montagem de um estado totalitário, nada se compara ao projeto sistemático de doutrinação que marginais de esquerda travestidos de "educadores" praticam em sala de aula.
Os heróis da rendição da direita estão sempre se pautando pelos parâmetros que a esquerda exige dos outros - já que ela mesma não os seguem - e parecem querer a aprovação da esquerda o que, acreditem, jamais virá.
Não faz diferença para essa gente se você demonstra mesmo "ódio" ou apenas se opõe às idéias deles, porque eles odeiam qualquer oposição.
Tentar dialogar ou conviver pacificamente com a esquerda é como tentar dividir um bife com uma hiena faminta.
Eles não querem diálogo, querem capitulação.
Não se rendam.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Jair é pop

Criticar o Jair Bolsonaro rende cliques, visibilidade, polêmica e propaganda gratuita, por isso mesmo eu, legítimo representante da direita esclarecida e que entende as regras do cricket, digo aqui para vocês:
Bolsonaro é bobo, feio e cara de melão.
Pronto, podem começar a compartilhar. Um microfone numa rádio é o limite!

Quanto sai a corrida?

Quando e se houver um segundo turno entre Lula e Bolsonaro ou entre Bolsonaro e algum outro esquerdista, aí sim vamos ver se há uma direita esclarecida ou só direita com taxímetro.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

O desacanalhamento do Brasil

A transformação do Brasil em um país menos patife passa pelo fim da estabilidade do funcionalismo público. Não é compatível com a decência.
Por isso é que a reforma mais urgente no Brasil é a do serviço público: fim da estabilidade, teto, demissão em massa, redução drástica de cargos em comissão.
O cara muitas vezes pensa que estudar para uma prova na vida e depois nunca mais fazer nada é mérito. Mérito tem é quem está na iniciativa privada, produz e ainda é sugado em impostos para sustentar um monte de barnabés que só atrapalham e atrasam a sua vida.
Quero ver quem vai fazer concurso sabendo que acabou essa história de paletó na cadeira, greve remunerada e viver como se estivesse de férias, com a garantia de que não importa o serviço que preste - bom ou ruim - o seu salário pago pelos outros estará na conta no fim do mês.
O funcionalismo público é uma das chagas da desigualdade que afrontam esse país e isso precisa mudar.

Gilmar Zanin

Que bom que o Gilmar Mendes parou de fingir que é um juiz de suprema corte e assumiu de vez esse seu papel de Cristiano Zanin do PSDB e PMDB.
Menos um teatro nesse país das péssimas interpretações.

domingo, 6 de agosto de 2017

Prioridades

O Editora Humanas - um dos melhores Twitters do Brasil - chamou atenção para algo muito interessante: um padre foi degolado dentro de uma Igreja na França e não se viu por aqui nem 1% da atenção da imprensa ou da indignação das pessoas como se viu porque um vendedor de hot-dog xingou o Mohamed numa briga por um ponto de venda em Copacabana.

sábado, 5 de agosto de 2017

Quem defende o bolivarianismo não merece o seu voto

Não se engane: sempre que você se deparar com alguém que relativiza a ditadura venezuelana simplesmente por não tratá-la como o regime criminoso, brutal, assassino e asqueroso que é, você está diante de um canalha e com um potencial destrutivo e deletério tão grande quanto o de Nicolas Maduro ou Diosdado Cabello, os dois gorilas que comandam o regime assassino.
Não é que os que fazem isso não mereçam seu voto, é que eles merecem seu repúdio, seu asco e sua total intolerância.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

As instituições estão funcionando

Num país onde o judiciário acoberta bandidos endinheirados, onde o ethos na política é o assalto às arcas do país, onde os impostos sufocam e atrasam a vida do cidadão que não recebe nada em troca do que lhe é tomado à força.
Num país onde quadrilhas se alternam no poder, onde "capital político" é passado de pai para filho através do título de propriedade conferido pela ignorância que grassa nos currais eleitorais, onde o cinismo, a arrogância e a indiferença com o cidadão médio é a regra.
Num país como esse Brasil que vemos hoje, que balança entre um Lula, um Temer, um Rodrigo Maia ou opções tão pavorosas quanto, me respondam: a quem interessa a "solidez" ou a "manutenção ou o "funcionamento" das tais "instituições"?
Se são estas que garantem a cafajestagem e a escroqueria que chamam de Brasil?

Procura-se um estadista

Dizem que Temer deve ficar em nome da economia e da "estabilidade". Que estabilidade? A que garante ao estabilishment o direito de viver num padrão muito acima do resto do país?
E não se engane: sempre que um deputado falar que está votando "pela economia", é do próprio saldo bancário que ele fala.
Dizem também que precisam que você concorde em se aposentar aos 65 anos, com uma fortuna de 1 mil a 2 mil reais, porque senão o país quebra. Claro, afinal, os juízes, desembargadores e demais sultões do poder público precisam garantir seus 20, 30, 50 e até 100 mil por mês de "benefício".
Hoje existem no Brasil exatamente 99.817 cargos em comissão, segundo o jornal Correio Brasiliense. Temer cortou alguns, mas na sua luta para não cair já renomeou quase 500 encostados. Fora as emendas. Fora o resto que só podemos supor em troca dos 200 e poucos votos que salvaram seu pescoço da justiça.
Dizem que você precisa "fazer sacrifícios" para "salvar o país". Dizem que você precisa aceitar os bons ladrões senão o PT volta. Será?
Enquanto o governo mantém o cidadão sufocado, quer cortar tudo o que der e coletar mais impostos, criar um cargo sequer é de uma imoralidade tão grande que já justifica derrubar a república inteira. Mas eles não ligam para isso.
A festa é deles. A comédia de mau gosto é deles. A conta é sua.
E o Lula é um excelente bicho-papão, afinal, "vamos deixar o Temer aí, senão ele volta", "vamos aceitar as covardias do PSDB, senão ele volta", "vamos aguentar qualquer tranco, senão ele volta".
O país precisa de um estadista, alguém que compreenda que é obrigado a dar o exemplo.
Chega de carro oficial, verba de gabinete, séquito de puxa-sacos bem pagos, passagens, cartões. Pode representar uma economia desprezível numericamente, mas vai mostrar para o resto do país que eles também vão sentir o calor.
Dirão que isso está no campo da "emoção" e não da economia. Que cortes, reformas e mais sacrifícios são necessários não importando o que as pessoas sofram.
Mas o engenheiro demitido que está dirigindo um Uber 12 horas por dia e vai pagar mais pelo combustível porque o governo precisa de mais dinheiro para sustentar a corte certamente vai te dizer que emoções valem muito.
Não dá para pedir sacrifícios para a plebe enquanto a corte continua se refestelando.
Mas precisamos de um estadista para isso. E isso é justamente o que não temos.