quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Enquadrando o populacho

Já ficou curioso para saber porque profissionais do anti-petismo como o Reinaldo Azevedo, entre outros, de repente viraram "garantistas" e opositores da lava-jato, chegando até a defender o Lula? É fácil explicar.
Antes do impeachment da Dilma, durante os 13 anos de mandarinato do PT, essa gente enchia livrarias e palestras, vendia milhares de livros e conseguia milhões de acessos diários em seus blogs falando mal do PT e, na moita, fazendo proselitismo para o PSDB.
O desespero das pessoas de bem para se verem livres daquele partido tornava o público anti-petista presa fácil para qualquer um que descesse o cacete no PT e ajudasse a encorpar a oposição ao partido.
Só que depois do impeachment, essas pessoas passaram a tratar de outras pautas, como o desarmamento, escola sem partido, ideologia de gênero, etc., e isso não interessa a estes esquerdistas light que, no fundo, concordam e apoiam tal agenda.
Quantos acessos você acha que tem o Reinaldo Azevedo hoje, babando ovo do Gilmar Mendes ou falando mal da lava-jato e da "direita xucra" comparado com o que tinha quando escoiceava o PT? A volta do PT ao poder será muito boa para essa gente. Terão seu mercado consumidor de volta.
A volta do Lula seria indiferente para quem recebe gordos salários na imprensa, na academia ou em ONGs patrocinadas com dinheiro de empresário. Quem vai sofrer é a macacada, que voltará a se preocupar apenas em tirar o PT, deixando-os livres para empurrar o resto da agenda comum.
É o cenário dos sonhos: o Lula volta e todos voltam a viver exclusivamente de anti-petismo, sem precisar se preocupar se a gente pequena "jacobina" está saindo da linha.
É isso.
0 Comentários