quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Skindô, skindô


E já que o carnaval vem aí - para comemorar sabe-se lá o que - com toda aquela "herança histórica", "identidade nacional", "malemolência brasileira".

E com suas escolas de samba com aqueles enredos que ninguém entende e que botam Dom Pedro do lado de Carmem Miranda e Madonna, blocos de gente bêbada, suada e inconveniente interrompendo o trânsito e deixando um rastro de lixo por onde passam, etc., vamos trazer uma recordação dos primeiros habitantes desta Terra de Vera Cruz pelo pincel de Debret, que registrou um mijão nas ruas devidamente acompanhado do seu serviçal, para mostrar definitivamente que no Bananão não importa a classe social, todo mundo é porco igual.


0 Comentários