terça-feira, 26 de junho de 2018

Existe racismo reverso sim

Uma DJ branca foi agredida porque tocou uma música de Dona Ivone Lara numa festa.
Segundo a afrodoida criminosa que a atacou, "branco não pode".
Afro-warrior e supremacista branco só muda a cor da bosta, porque o fedor é o mesmo. Mas devemos esquecer o choque e a indignação ppr um momento e dar os parabéns aos militantes do sistema educacional brasileiro: sua bela obra está quase completa! Mais um pouco e o outro lado, de saco cheio, vai começar a responder e teremos uma guerra étnica no Brasil.
Viva a pedagogia do oprimido.
Aliás, errei. Preto racialista maluco não é totalmente igual branco racialista maluco, já que é notório o fato de afro-warrior nunca ser repudiado, esculachado, combatido, processado ou preso por isso, como deveria, pelo contrário, esses psicopatas que sofrem pelo que não viveram - afinal, a escravidão acabou há mais de cem anos - são incentivados por pilantras, covardes e idiotas úteis.


0 Comentários